Diário do Malte

To Beer or Not To Beer

Cerveja para saciar o desejo e satisfazer o coração

25/07/2017 11:48h - Atualizado em 25/07/2017 12:44h

Compartilhar no

Estamos iniciando hoje nosso Blog Diário do Malte que vai vir com muitas informações para o público cervejeiro, desde notícias, fatos históricos, eventos e cursos no Brasil e no Mundo, dicas de viagens cervejeiras, lançamentos de cervejas. Para começar o nosso Blog resolvi falar um pouco do que é a Cerveja, este líquido que faz o Brasil ser o 3º país produtor mundial e o 17º país em consumo de cerveja, e um pouco da história.

Mas o que é a cerveja?

A cerveja (do latim cervisia) é uma bebida produzida a partir da fermentação de cereais, principalmente a cevada maltada. Os principais ingredientes são: água; uma fonte de amido, tais como malte de cevada, capaz de ser sacarificado (convertidos em açúcares), então fermentados (convertido em álcool e dióxido de carbono); uma lecedura de cerveja para produzir a fermentação, e o lúpulo.

E aí meu caro leitor quando nasceu esse líquido precioso? Bem, estudos de historiadores, pesquisadores e arqueólogos realizados na região do Nilo Azul, atual Sudão, comprovaram que, cerca de 7000 a.C., os povos locais produziam uma bebida a partir de sorgo que seria semelhante à nossa cerveja. Análises químicas efectuadas aos depósitos residuais do fundo de um pote recolhido num campo arqueológico neolítico iraniano, datado de 5500 a.C., confirmaram a existência local de bebidas alcoólicas e especificamente de cerveja. Mas a prova arqueológica mais concreta que temos relativamente à produção de cerveja é proveniente da Mesopotamia, mais propriamente da Suméria. Tratam-se de inscrições feitas numa pedra, relativas a um cereal que se utilizava em algo similar à produção de cerveja. Também desta civilização foi encontrada uma placa de barro (selo), recolhida em Tepe Gawra e datada de cerca de 4000 a.C., onde se vêm duas figuras que bebem possivelmente cerveja de um pote, utilizando para isso longas palhas, tradicionalmente usadas para aspirar a bebida e evitar a ingestão dos resíduos de cereal.

Esquerda: placa suméria de à volta de 3000 a.C. que regista a atribuição de porções de cerveja a trabalhadores sumérios. Direita: representação de uma placa com o “Hino a Ninkasi”

(Fonte: tablematters.com)

A bebida era vista como divina aos Sumérios que idolatravam a Deusa Ninkasi cujo hino é na realidade, uma receita de cerveja.

Na visão mitológica dos Sumérios, Enki era o deus do Abzu, das águas doces (dos rios, canais, da chuva). A água tinha um significado também relacionado com o conhecimento ou sabedoria. Por este motivo Enki era também conhecido como o deus do conhecimento e da sabedoria, portador dos segredos da vida e da morte. A sua mulher era a sua irmã Ninti, a Deusa da Vida.Ninkasi, filha de Enki e Ninti, foi uma das oito crianças criadas por Ninhursag – uma espécie de deusa mãe, de grande relevo – para curar cada uma as oito feridas que Enki recebera. Nasceu da “água fresca cintilante” para “saciar o desejo” e “satisfazer o coração”. Era a deusa do álcool, mais concretamente da cerveja, e seria responsável pela produção da bebida. Tinha por missão a cura da zona das costelas. Enki tinha comido flores proibidas e por isso tinha sido amaldiçoado por Ninhursag, que mais tarde seria persuadida por outros deuses a curá-lo. Curiosamente, alguns estudiosos  acreditam que esta história serviu de base para a do Livro de Génesis, em que Eva é criada de uma costela de Adão.

Representação de Ninkasi

(créditos: Smithsonian)




Compartilhar no
Fonte: Anne Carolinne Carvalho Galdino, http://www.cervejasdomundo.com/Na_antiguidade.htm; http://www.cerve

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário


Notícias Relacionadas