• SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia
Cineas Santos

Deseducar é fácil

Confira a crônica de Cineas Santos publicada no caderno Metrópole, do jornal O Dia.

02/12/2019 10:54h

O prof. Marcílio Farias, de saudosa memória, afirmava publicamente: “O problema da escola não são os alunos; são os pais dos alunos”. Não era simples desabafo: Marcílio tinha uma relação bastante amistosa e cordial com a molecada do IDB; com os pais, não. Na semana passada, presenciei uma cena que parece ter sido concebida para dar razão ao educador. Na fila de um dos caixas de um supermercado de Teresina, um casal muito jovem se fazia acompanhar de uma menininha, de uns três anos de idade, linda como a claridade da hora. Enquanto os dois passavam as compras, a menina afastou-se e, ao regressar, trazia uma revistinha colorida. Iniciou-se o seguinte diálogo: “Pai, vou levar esta”. O pai, sem se dignar a ver a revista, disparou: “Revista, não”. “Pai, por favor, eu quero esta” - insistiu a garotinha. “ Eu já disse que não e não e não!”- berrou o pai. A menina fez beicinho, ensaiou cara de choro. O pai propôs: “Troque a revista por outra coisa”. Um sorriso de vitória estampou-se no rosto da criança: “O quê, pai?”. “Algo gostoso”, afirmou o cidadão. “ Pode ser Halss?”- indagou a menina. “Pode, sim,filha”. A menina pegou um pacote de pastilhas, sabor morango, correu até o pai que lhe estendeu a mão aberta para um tapinha cúmplice.

Esperei o casal afastar-se e fui conferir a publicação que a menina queria levar para casa. Era a “Revista de atividades Barbie – desenhos e brincadeiras”. Comprei a revista para conferir-lhe o conteúdo. Nada de extraordinário: jogo dos sete erros; ajude o personagem tal a encontrar o caminho de casa e muitos desenhos da bonequinha aliciante para serem coloridos. De “brinde”, quatro tabletes de tinta ( vermelho,verde,azul e amarelo) à base d’água e um pincelzinho de plástico. Resolvi conferir também as pastilhas que a garotinha levou, com a cumplicidade do pai. “bala dura, sabor artificial de morango e eucalipto, colorida e aromatizada artificialmente” Comparei os dois produtos e cheguei à conclusão de que, ruim por ruim, a menininha ficou com o pior: açúcar e aromatizantes artificiais. A revistinha serviria, pelo menos, para melhorar-lhe a coordenação motora; as balas, na melhor das hipóteses, só lhe acarretarão algumas cáries.


Deixe seu comentário