• Banner Cultura Governo do PI
  • Obras no Litoral Cultura
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia
Celso Pires

Quais são os países com as maiores reservas de petróleo do mundo?

Confira o texto publicado pelo colunista Celso Pires no Jornal O Dia.

18/10/2019 08:26h

O petróleo continua a ser a principal fonte de energia do mundo em que vivemos. E, até que as energias renováveis sejam capazes de substituir o chamado “ouro negro”, seguiremos dependentes dele. Em 2018, consumimos mais petróleo do que em qualquer outro ano da história. Segundo dados da Organização dos Países Exportadores de Petróleo – O.P.E.P., foram 98,82 milhões de barris por dia e a tendência é que isso continue a aumentar até atingir 100,23 milhões de barris por dia neste ano de 2019. Diante desta sua relevância como matéria-prima, a venda de petróleo e produtos derivados são uma peça fundamental da política externa e comercial no mundo. Por isso, os Estados que têm em seu subsolo esse valioso bem desfrutam de uma fonte de renda e recursos que, no entanto, nem sempre se traduz em bonança e igualdade econômicas. Dentre os países com as maiores reservas, a Venezuela apesar da pobreza que se encontra, pasme, é o país com as maiores reservas do mundo, com 300,9 bilhões de barris, de acordo com dados da C.I.A, a agência de inteligência dos Estados Unidos. O segundo é a Arábia Saudita, com 266,5 bilhões de barris. O Canadá fica em terceiro, com 169,7 bilhões de barris. O Brasil aparece em 15º no ranking, com 12,7 bilhões de barris. O custo da produção é algo bastante complexo dentro da cadeia petrolífera e por isso, ter petróleo nem sempre é sinônimo de riqueza. Um dos exemplos mais claros é a própria Venezuela, que enfrenta uma crise econômica que fez com que até 3,4 milhões de venezuelanos abandonassem o país, segundo dados da Organização das Nações Unidas – O.N.U. As razões por trás do caso venezuelano são várias e muito diversas, e a quantidade das reservas de petróleo é apenas um fator entre os que determinam se a exploração é realmente lucrativa. Um país com grandes reservas nem sempre consegue extrair e vender todo o petróleo que potencialmente teria acesso. Na Venezuela, a geologia não facilitou esse trabalho. A maioria do seu petróleo é do tipo “pesado”, e esta alta densidade torna mais difícil e cara sua extração, porque é preciso usar dissolvente para que o material possa circular. Além disso, após as sanções econômicas impostas pelos Estados Unidos, a Venezuela não pode comercializar o que produz tão facilmente, porque sua rede de compradores se reduziu consideravelmente. O Canadá é outro exemplo de país com grandes reservas e um custo de extração elevado, porque seu petróleo também é majoritariamente “pesado”, ou seja, como dito, de alta densidade. Outros países enfrentam diferentes tipos de restrições, como altos tributos, no caso de Brasil e Estados Unidos da América. Tudo isso eleva o custo de produção. Extrair um barril no Brasil custa quase quatro vezes mais do que na Arábia Saudita, por exemplo, onde a maior parte do petróleo é líquido e mais fácil de comercializar. Se o custo de produção de um barril é de menos de US$ 9 dólares (R$ 34,6 reais) para os sauditas, segundo dados da Organização dos Países Exportadores de Petróleo – O.P.E.P., na Venezuela e no Brasil esse custo sobe para US$ 27,62 dólares (R$ 106,3 reais) e US$ 34,99 dólares (R$134,70 reais) respectivamente.


Deixe seu comentário