• Campanha da Santa Missa
  • Vencer 03
  • Vencer 02
  • Vencer 01
  • Prerrogativas da advogacia
  • Peregrinos da fé
  • Novo app Jornal O Dia
Celso Pires

Joe Biden x Bernie Sanders: os pré-candidatos democratas nos E.U.A.

Celso Pires - Advogado

20/03/2020 17:16h

Os resultados preliminares da “super terça”, quando 14 Estados americanos realizaram eleições primárias, afunilaram a corrida democrata pela candidatura de quem enfrentará Donald Trump nas urnas no 03 de novembro. Agora, o ex-vice-presidente Joe Biden está na liderança em número de delegados (433 até o momento), tendo ultrapassado o senador Bernie Sanders (388). Estão em disputa 3.979 delegados, e o candidato que alcançar 1991 (a metade arredondada mais um) desses votos conquista a candidatura. Com a desistência do ex-prefeito de Nova York Michael Bloomberg e da senadora Elizabeth Warren, a candidatura ficou entre Sanders e Biden, a depender de como votarão os demais eleitores democratas nos cerca de 30 Estados que ainda realizarão prévias até meados do ano. Ao verificar seus perfis, constatamos que Biden, pré-candidato centrista, demonstrou contar com o respaldo dos eleitores democratas nos Estados sulistas que já realizaram prévias até agora. Tendo passado oito anos como vice-presidente de Barack Obama, ele herdou grande parte do seu legado, o que ajuda a explicar um de seus trunfos: sua alta popularidade com o eleitorado negro americano e com a população de idade mais avançada. Seu vínculo estreito com o Obama pode continuar sendo um fator-chave para Biden manter sua força nesse público. Sendo a saúde uma questão crucial na campanha eleitoral americana (uma vez que o país não tem um sistema de saúde universal), Biden lançou ainda no ano passado anúncios publicitários contando sua história pessoal e explicando por que o acesso à saúde é algo pessoal para ele. Em 1972, ele perdeu sua mulher e filha em um acidente de carro, que também feriu seus dois filhos pequenos. Um deles, Beau Biden, morreria em 2015 de câncer no cérebro. Em seus anúncios publicitários, ele afirmava que não imaginava como teriam sido esses momentos difíceis se ele e sua família não contassem com cobertura de saúde. Ele defende a expansão do “Obamacare”, forma como ficou conhecido o projeto de saúde de Obama que prevê coberturas a preços acessíveis, mas sem eliminar planos privados ou sem universalizar totalmente o sistema – uma diferença importante em relação a Sanders. Biden ainda é apontado como mais moderado, tendo dito que pretende trabalhar em conjunto com o rival Partido Republicano em assuntos importantes. Biden, além de herdar dividendos políticos da era Obama, conta com o apoio do establishment político do Partido Democrata, que vê Sanders como radical. Ele é visto por parte do público democrata como um candidato mais competitivo para enfrentar Trump, em relação a Sanders. Biden ainda ganhou o endosso de pré-candidatos democratas importantes que desistiram nos últimos dias, como Michael Bloomberg, Amy Klobuchar e Pete Buttigieg. Entretanto, seus pontos fracos devem ser explorados pelos republicanos caso seja escolhido candidato. O primeiro tem a ver com o processo de impeachment de Donald Trump, no qual ele foi inadvertidamente uma figura central: foi a partir do pedido de que o governo da Ucrânia investigasse Biden e seu filho Hunter por seus negócios com uma empresa petrolífera ucraniana que Trump foi acusado de abuso de poder. É bem provável que essa ligação com a Ucrânia (até o momento não sustentada por provas concretas) vire tema de discussão durante a campanha. Avaliando o outro pré-candidato, o senador por Vermont, Bernie Sanders surge como candidato mais velho (78 anos) e mais à esquerda na disputa democrata. Sanders ganhou força ao vencer as prévias nos primeiros Estados em disputa: Iowa, New Hampshire e Nevada, tendo ainda vencido em três Estados na “super terça”. Bernie Sanders tem sido puxado, em grande parte, pelo eleitorado jovem e por uma ala de democratas tida como bastante leal a ele — a ponto de alguns eleitores terem dito à imprensa americana que se recusariam a ir às urnas em novembro caso Sanders não seja escolhido candidato democrata. Com um discurso anti-establishment, Sanders tem como tema centrais de sua plataforma eleitoral a implantação de um sistema de saúde universal e gratuito (com a eliminação de planos privados), um salário mínimo de US$ 15 por hora, o perdão das dívidas de financiamento estudantil e sistema de ensino superior gratuito. Muitos acreditam que, com propostas tão à esquerda do espectro político e um discurso tido muitas vezes como radical e desagregador, Sanders teria poucas chances de vencer Trump em redutos eleitorais conservadores dos E.U.A. Isso é particularmente importante em um país onde a designação "socialista" tem conotação pejorativa com uma parcela significativa do eleitorado. Ao mesmo tempo, Sanders é visto como um candidato consistente, que praticamente não mudou seu posicionamento na maioria dos temas cruciais ao longo de sua vida política. É um duro crítico de políticas e incentivos que, ao longo de diferentes governos, favoreceram multinacionais e grandes investidores, e defensor da redução da desigualdade de renda nos EUA, com mais impostos sobre os mais ricos e uma maior presença do Estado na saúde e na educação. Se for escolhido candidato democrata, Sanders deve enfrentar questionamentos sobre sua saúde — recentemente, ele afirmou que não pretende divulgar informações adicionais sobre seu estado de saúde, poucos meses após ter sofrido um ataque cardíaco — e por sua posição a respeito do controle de armas — ele é duramente criticado por outros democratas por ter votado, no passado, contra uma lei que exige antecedentes criminais de compradores de armas de fogo. Outro questionamento é a respeito de como financiar seus ambiciosos planos para a saúde e educação, cujos custos são estimados em trilhões de dólares.


Deixe seu comentário