• Unimed
  • assinatura jornal

Agentes de portaria da prefeitura denunciam salários atrasados do ano passado

Os trabalhadores declararam que ainda não receberam o dinheiro das férias do mês de abril de 2016. Mais de 1000 funcionários esperam receber salários atrasados.

20/03/2017 11:06h - Atualizado em 20/03/2017 12:42h

Os agentes terceirizados de portaria do município de Teresina reivindicam o recebimento de salários atrasados referentes ao ano passado. Os trabalhadores exigem o dinheiro das férias do mês de abril de 2016 que não foi repassado e o dinheiro referente a serviços prestados no meses de fevereiro e março de 2017. 

O presidente do sindicato dos agentes de portaria, José Borges, declarou que mais de 300 funcionários entraram de férias neste mês com dinheiro atrasado. “Nós não suportamos mais, tem pai de família passando necessidades, nossa situação é de calamidade” afirma. O agente declarou que a prefeitura faz o repasse do dinheiro, para a Servfaz (serviço de mão de obra), mas esta não está pagando os funcionários da forma correta. A Servfaz é a empresa responsável por realizar os pagamentos dos agentes de portaria.

São mais de 1000 agentes de portaria em atividade no município e todos estão com dinheiro atrasado. Mas há um atraso maior com relação aos agentes que entraram de férias neste mês, e não receberam o repasse das férias do ano passado. Houve uma tentativa de negociação por parte da Servfaz com os funcionários. A empresa sugeriu o parcelamento das férias em quatro prestações, mas a categoria achou um absurdo e não quis negociar.

“Eu na qualidade de presidente do sindicato preciso denunciar, sei que pode haver consequências, mas não podemos mais esperar, a situação já está demais” declarou José Borges.

Houve uma tentativa de contato com a empresa Servfaz, mas não obtivemos resposta. A Secretaria Municipal de Educação (Semec) informou que um problema burocrático da empresa atrasou os contratos desde fevereiro, impossibilitando a Semec de fazer os repasses, que devem ser regularizados o quanto antes.

Edição: Nayara Felizardo
Por: Raisa Magalhães

Deixe seu comentário