• Unimed
  • assinatura jornal

Temer faz ofensiva nas redes sociais para pressionar deputados

A equipe de comunicação do peemedebista irá veicular nove propagandas, com uma convocação aos deputados aliados.

06/12/2017 17:08h

Com dificuldades de reunir apoio na base aliada, o presidente Michel Temer fará a partir desta quarta-feira (6) uma ofensiva nas redes sociais para tentar pressionar deputados governistas a votarem a favor da reforma da Previdência.

A equipe de comunicação do peemedebista irá veicular nove propagandas, as quais a reportagem teve acesso, com uma convocação aos deputados aliados: "Parlamentar, o Brasil precisa de você".

As propagandas também ressaltam que os parlamentares governistas devem votar pela proposta para salvar a "aposentadoria de todos".

A ideia do Palácio do Planalto é fazer com que grupos e entidades favoráveis às mudanças nas aposentadorias cobrem publicamente deputados indecisos ou resistentes à proposta governista.

O Palácio do Planalto contabiliza atualmente 260 votos, número inferior aos 308 necessários para aprovar a reforma previdenciária.

Nesta quarta-feira (6), o presidente reduziu o piso e agora espera contabilizar com pelo menos 290 votos favoráveis para colocar a proposta em votação na próxima terça-feira (12).

A meta baixou em relação às últimas semanas -quando o governo estabelecia 330 votos para levar o texto ao plenário da Câmara dos Deputados- diante das dificuldades que os deputados têm apresentado em apoiar a medida.

No fim da manhã, PTB fechou questão a favor da aprovação da reforma. A decisão ocorre em meio à pressão do peemedebista e diante da perspectiva da sigla aumentar seu espaço na Esplanada dos Ministérios.

O partido comandando por Roberto Jefferson, que foi pivô e condenado no escândalo do mensalão, tomou a decisão antes mesmo do PMDB, sigla do presidente.

Ao todo, o PTB conta com uma bancada de 16 deputados federais em exercício e está à frente do Ministério do Trabalho e da Casa da Moeda.

Na prática, o fechamento de questão significa que, se definido, quem votar em desacordo com o partido, está sujeito a punições que podem chegar à expulsão da sigla.

Fonte: Folhapress

Deixe seu comentário