• Patrimônio 09/17
  • Unimed
  • assinatura jornal

Geraldo Alckmin faz ofensiva por apoio no agronegócio e em MG

Nesta terça-feira (12), o tucano almoçará com representantes da Frente Parlamentar da Agropecuária, que lhe entregarão uma pauta de reivindicações do setor.

12/09/2017 09:52h

O governador Geraldo Alckmin (SP) tem dois novos alvos na costura para tentar ser o candidato do PSDB à Presidência em 2018: o setor agropecuário e Minas Gerais.

Nesta terça-feira (12), o tucano almoçará com representantes da Frente Parlamentar da Agropecuária, que lhe entregarão uma pauta de reivindicações do setor.

Geraldo Alckmin é um dos nomes cotados para ser o candidato à Presidência da República pelo PSDB. Para isso, ele busca apoio do setor agropecuário (Foto: Diogo Moreira/A2img/FotosPúblicas)

O tucano confia boa parte da articulação com o setor a Frederico D´Ávila, do PP, que foi seu conselheiro na área. O PP está em busca de uma "refundação" e deverá acompanhar Alckmin se ele for o presidenciável tucano.

Na quinta (14), o governador fará a primeira de duas visitas a Minas. Almoçará na Associação Comercial do Estado e depois se encontra com políticos, provavelmente acompanhado pelo senador Antônio Anastasia (PSDB-MG), aliado de Aécio Neves.

O senador e presidente licenciado do PSDB foi abatido pela Operação Lava Jato, mas retém grande influência nos rumos do partido.

Ele vem enviando sinais para o prefeito paulistano, João Doria, que também busca viabilizar a candidatura à Presidência e vem trocando farpas com Alckmin, seu padrinho político.

O movimento principal do governador em Minas será no dia 29, quando discursará no encontro do PSDB no Estado.

Alguns dirigentes tucanos defendem que ele prepare um discurso incisivo, "de candidato", para o evento. Segundo esses aliados, que defendem Alckmin na disputa interna, Doria está "nadando de braçadas" na sua busca por maior projeção nacional -o prefeito tem feito viagens a vários Estados.

Até agora, a disposição do governador é incerta.

Minas é o segundo maior colégio eleitoral do país e está "órfão" de lideranças, após ter sido decisivo para a derrota de Aécio para Dilma Rousseff (PT) em 2014.

O mineiro não conseguiu garantir vitória em sua casa, e perdeu a eleição por pouco.

Como o atual governador, Fernando Pimentel (PT), também enfrenta forte desgaste devido a investigações criminais, o Estado viu sua capital ser capturada no ano passado por um "outsider", Alexandre Kalil (PHS).

Os tucanos não têm nomes fortes para a disputa, assim como o PT.

O ex-prefeito Márcio Lacerda, que já foi aliado de ambos, quer ser candidato pelo PSB, mas rejeita compor novamente com os tucanos.

Como Alckmin não poderá prescindir de um nome do PSDB na disputa estadual em São Paulo, o apoio ao PSB de seu vice Márcio França está sendo disputado pelo PT, complicando o xadrez nos colégios eleitorais do Sudeste.

O tucano defende que o PSDB escolha o nome de seu presidenciável já em dezembro, em encontro nacional.

Isso o favorece em termos de operação da máquina, pois tem o apoio do presidente interino da sigla, senador Tasso Jereissati (CE), e está aliado ao provável novo líder do partido, o governador Marconi Perillo (GO).

Já Doria busca avançar sua posição em pesquisas eleitorais para usar uma eventual vantagem sobre Alckmin no fim do ano como argumento para reivindicar a candidatura tucana.

Se não conseguir, rejeita disputar prévias com o padrinho e poderá negociar a ida a outro partido da base governista, como PMDB ou DEM.

Fonte: Folhapress
Por: Igor Gielow

Deixe seu comentário