• Patrimônio 09/17
  • Unimed
  • assinatura jornal

Artistas protestam contra extinção de Renca e Maia defende diálogo

Artistas, lideranças indígenas, políticos e representantes de movimentos ambientalistas entregaram a Maia e a Eunício Oliveira cerca de 1,5 milhão de assinaturas recolhidas pedindo a proteção da Amazônia e de seus povos.

12/09/2017 14:30h - Atualizado em 12/09/2017 14:45h

Um grupo de artistas foi ao Congresso Nacional nesta terça-feira (12) para protestar contra a pauta ambiental do governo Michel Temer, em especial, contra o decreto que extingue a Renca (Reserva Nacional de Cobre e seus Associados). O texto foi suspenso por 120 dias no final de agosto, depois da polêmica. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse defender que ele seja cancelado.

"Ainda espero poder convencer o presidente que o melhor caminho é encerrar o assunto e retomar o diálogo com toda a sociedade para que a sociedade possa estar convencida ou não de que aquela posição é a correta", disse Maia aos artistas e lideranças indígenas que foram às presidências da Câmara e do Senado acompanhados por parlamentares da oposição.

Artistas e parlamentares durante entrega de assinautas e documentos em defesa da amazônia. (Foto: Lula Marques/AGPT)

Maia disse que o governo errou na comunicação e que o decreto de Temer foi apresentado "da noite para o dia". "A comunicação é que é o erro. De repente, da noite para o dia, aparece um decreto com esse impacto e nenhum de nós sabe direito o que ele significa. Nem aqueles que são da base do presidente", criticou Rodrigo Maia. Ao receber os artistas, Maia foi pressionado.

"Parece que tem um lado que foi ouvido e é minoria, o lado do interesse: da terra, do governo, dos políticos, dos ruralistas. O outro lado é o povo brasileiro. Eu tenho que falar alguma coisa. Desculpe retrucar", disse a atriz Susana Vieira. Sem graça, Maia minimizou: "Maior orgulho estar debatendo com você."

Artistas e parlamentares durante entrega de assinautas e documentos em defesa da amazônia. (Foto: Lula Marques/AGPT)

Durante encontro dos artistas com senadores e com o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), outro climão: o ator Victor Fasano bateu boca com a senadora Vanessa Grazziotin (PC do B-AM). Grazziotin elogiava o presidente do Senado e citou a reforma trabalhista quando foi interrompida por Fasano. "Reforma trabalhista saiu da Câmara em um dia e no mesmo dia foi votada...", disse.

"Com licença, podemos falar só de Amazônia?", interrompeu o ator. "Eu estou só falando aqui do presidente, de metodologia", rebateu a senadora, pedindo ao ator que respeitasse sua fala. "Se isso te incomoda, aqui a gente tem o costume de respeitar a palavra dos outros", afirmou. O ator rebateu: "Não acontece no Senado, a senhora não respeita a palavra de ninguém."

Artistas e parlamentares durante entrega de assinautas e documentos em defesa da amazônia. (Foto: Lula Marques/AGPT)

Na reunião, Eunício prometeu pautar o decreto legislativo apresentado pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que revoga decreto que extingue a Renca.

ASSINATURAS

Artistas, lideranças indígenas, políticos e representantes de movimentos ambientalistas entregaram a Maia e ao presidente do Senado, Eunício Oliveira, cerca de 1,5 milhão de assinaturas recolhidas pelos grupos 342 Amazônia, Greenpeace e Avaaz pedindo a proteção da Amazônia e de seus povos.

Além de Susana Vieira, estiveram no Congresso os atores Luiz Fernando Guimarães, Victor Fasano, Alessandra Negrini, Christiane Torloni, Arlete Salles e Maria Paula, os cantores Maria Gadú, Rappin' Hood e Tico Santa Cruz, e a produtora Paula Lavigne. Eles leram em jogral uma carta a favor da Amazônia.

Artistas e parlamentares durante entrega de assinautas e documentos em defesa da amazônia. (Foto: Lula Marques/AGPT)

"Cada assinatura recolhida e entregue aqui hoje representa a voz de um brasileiro e de uma brasileira, que se erguerá e se somará a milhares de outras sempre que uma nova ameaça contra a floresta surgir. Porque a Amazônia é de todos e somos todos pela Amazônia", disseram em trecho da carta.

Fonte: Folhapress

Deixe seu comentário