• assinatura jornal

Notícias Polícia

17 de janeiro de 2018

Policiais serão proibidos de entrar armados em prévias carnavalescas

Representantes de corregedorias de diversos órgãos reuniram-se com promotores de festas. Uma das orientações é que sejam recolhidas as armas de agentes públicos que não estiverem em diligência.

Representantes das Corregedorias de seis instituições do setor de segurança pública estiveram reunidos na manhã desta quarta-feira (17) com organizadores de prévias carnavalescas e de outros eventos que acontecem na capital para tratar sobre o acesso de servidores públicos armados em festas.

O objetivo da reunião, realizada no auditório do Quartel do Comando-Geralda Polícia Militar do Piauí, é evitar a ocorrência de novos crimes, como o da noite do último sábado (13), quando três pessoas foram baleadas pelo cabo do Exército Wanderson Lima Fonseca, na festa Banda Bandida, que é realizada na Rua 24 de Janeiro, no Centro de Teresina.

Coronel Alberto Menezes (Foto: Assis Fernandes / O DIA)

Estiveram presentes representantes das Corregedorias da Polícia Federal, da Polícia Rodoviária Federal, da Polícia Civil, da Polícia Militar e do Exército, além de um representante da Secretaria de Justiça (já que os agentes penitenciários também têm porte de arma).

Os corregedores se colocaram à disposição dos organizadores das festas para prestar orientações imediatas sempre que houver alguma situação de policial ou outro agente de segurança solicitando acesso a um evento portando arma de fogo.

O organizador da banda Bandida, Último Coelho, falou em nome dos promotores de eventos, e deu algumas sugestões para melhorar a segurança no entorno das festas.

Segundo o coronel Alberto Menezes, coordenador-geral de Operações da Polícia Militar, uma das orientações dadas durante a reunião é para que os organizadores dos eventos reservem um local específico para guardar as armas de agentes públicos que queiram entrar nas festas mas que não estejam em serviço, realizando alguma diligência. A recomendação é que haja um local seguro - preferencialmente um cofre - para guardar as armas.

Na reunião, também ficou acertado que a Polícia Militar vai procurar atuar de forma conjunta com as equipes de segurança privada contratadas pelos promotores das festas, de maneira a conseguir resultados mais efetivos na proteção aos foliões.

"Vamos fazer os isolamentos um pouco mais afastado e tentar colocar viaturas em todos os acessos. Nós orientamos os organizadores a procurar as equipes da PM sempre que, numa revista, for identificado algum agente público armado. Isso será uma forma de esclarecer qualquer dúvida inicial, como, por exemplo, saber se essa pessoa tem ou não porte de arma e se ela pode entrar no evento com a arma.

Elesbão sofre com carência de efetivo policial; delegado nega DP fechado

Segundo um portal de notícias da cidade, há apenas um policial militar por plantão na cidade, e na delegacia de Polícia Civil é comum não haver ninguém para atender a população.

Moradores da cidade de Elesbão Veloso vivem um sentimento de constante vulnerabilidade, por conta do reduzido contingente policial da cidade.

De acordo com informações do site Elesbão News, a Polícia Militar possui apenas um homem escalado por plantão na cidade, o que inviabiliza a realização do policiamento ostensivo.

O município de Elesbão Veloso possuía cerca de 15 mil habitantes no último censo realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No último sábado, um homem foi baleado e o único PM que estava de plantão precisou pedir ajuda a outro colega, que estava de folga, para que não atendesse a ocorrência sozinho.

Ainda segundo o site Elesbão News, no mesmo dia outra moradora da cidade teria experimentado a frustração de buscar as autoridades policiais e não receber qualquer resposta.

Ela teria procurado a delegacia de Polícia Civil de Elesbão para registrar um boletim de ocorrência denunciando ameaças que estaria sofrendo por telefone. Mas, segundo o site Elesbão News, ao chegar ao local onde funciona o distrito policial da cidade, a mulher não encontrou nenhum representante da Polícia Civil - delegado, agente ou escrivão.

Delegado nega DP fechado, mas reconhece carência no efetivo

O delegado Paulo Gregório disse à reportagem do portal O DIA que até agora a mulher que teria sofrido ameaças não compareceu à delegacia para registrar o boletim de ocorrência, e negou a informação de que não haveria ninguém no distrito no momento em que a mulher se dirigiu ao local. "Eu soube da notícia pelo site, mas eu estou na delegacia durante toda a semana e a vítima ainda não compareceu aqui", afirmou Paulo Gregório.

Por outro lado, o delegado reconhece que o efetivo da Polícia Civil é reduzido em Elesbão Veloso, cenário que se repete em vários municípios piauienses.

Com relação ao homem baleado no sábado, o delegado afirma que a vítima foi identificada como Antônio Marcos, e a Polícia já investiga um suspeito, chamado Gustavo da Luz.

O crime ocorreu numa seresta. Segundo testemunhas, vítima e acusado teriam discutido. Antônio Marcos teria se armado com uma faca e, ao mostrar a arma branca para o rival, acabou sendo baleado.

O delegado Paulo Gregório disse, ainda, que o serviço da Polícia Civil não deixa de ser prestado mesmo com o efetivo reduzido. Ele próprio precisa se desdobrar para atender as ocorrências dos cinco municípios em que atua: Várzea Grande, Barra d'Alcântara, Francinópolis, Tanque do Piauí, além de Elesbão Veloso.

16 de janeiro de 2018

Gestor de TI rouba 30 computadores de empresa e é preso pela Polícia

Segundo a Polícia, o suspeito furtava os equipamentos para vender na OLX e no Facebook.

A Polícia Civil prendeu, na tarde desta terça-feira (16), um homem acusado de ter furtado diversos equipamentos de informática de uma empresa de call center de Teresina. O suspeito, identificado pelas iniciais J. M. S. C., é gestor de Tecnologia da Informação da empresa e teria furtado cerca de 30 computadores, que eram vendidos na OLX e no Facebook.

Computadores foram encontrados com o gestor de TI. (Foto: Divulgação/SSP)

De acordo com a Delegacia Geral, a empresa havia registrado um boletim de ocorrência narrando a subtração de diversos equipamentos de informática. Durante a investigação, a Polícia Civil constatou que o funcionário subtraía os equipamentos para vender através de sites de vendas e sites de relacionamento. 

A prisão do suspeito foi realizada nas proximidades da Avenida Barão de Gurgueia. Em posse do suposto autor do crime, teriam sido encontrados cerca de 20 estações de trabalho, incluindo computadores, CPUs e teclados. Após ter sido dada a voz de prisão, o indivíduo foi conduzido até a sua residência no Parque Sul onde foram localizados diversos outros equipamentos da empresa.  

A empresa vítima do fato criminoso possui aproximadamente 4 mil computadores em suas instalações, sendo que 30 haviam sido furtados pelo funcionário. O autor do fato deverá responder pela prática do crime de furto qualificado e ficará à disposição da Justiça.

Em liberdade, acusado de matar cabo do BOPE sofre tentativa de homicídio

Flávio Willame estava na porta de casa quando foi atingido por cinco disparos de arma de fogo e várias facadas.

Flávio Willame da Silva, apontado como autor dos disparos que mataram o cabo do BOPE Claudemir de Paula Sousa, foi alvo de uma tentativa de homicídio por volta do meio-dia desta terça-feira (16), na Vila São Francisco, na zona Sul de Teresina. Flávio estava na porta de casa quando foi atingido por cinco disparos de arma de fogo e várias facadas. A vítima havia recebido liberdade provisória há uma semana, após ter permanecido preso acusado de envolvimento na morte do cabo Claudemir Sousa, em dezembro de 2016. 

Flávio Willame é apontado como autor dos disparos que mataram o cabo do BOPE. (Foto: Divulgação/ Polícia Civil)

De acordo com a Polícia Militar, quando as viaturas chegaram ao local, Flávio já havia sido socorrido pelo SAMU e encaminhado ao Hospital de Urgências de Teresina (HUT). O seu estado de saúde é grave, porém estável. De acordo com o hospital, a vítima deu entrada na unidade por volta de 12h30 e foi atingida por cinco disparos de arma de fogo na região do tórax e várias facadas pelo corpo, inclusive na região da cabeça.

Até o momento a Polícia não tem informações do que poderia ter motivado o crime ou sobre a identidade dos suspeitos. 

Entenda o caso

Flávio Willame foi preso no dia 7 de dezembro de 2016, após ter confessado ser autor dos disparos que mataram o cabo Claudemir Sousa. O PM foi assassinado no dia 06 de dezembro do mesmo ano, ao sair de uma academia no bairro Saci e outras seis pessoas foram presas acusadas de ter participação no crime.

Cabo do BOPE Claudemir Sousa. (Foto: Arquivo Pessoal)

As informações apuradas pela polícia à época do crime davam conta de que sua morte teria sido um crime passional arquitetado por Maria Ocionira Barbosa e Leonardo Ferreira Lima. Ocionira teria um relacionamento amoroso com Claudemir, o que estaria atrapalhando seus planos com Leonardo. Estes dois foram apontados como mandantes do crime.

Após um ano preso, o grupo suspeito de envolvimento da morte do militar teve a prisão revogada  pelo juiz da 1ª vara do Tribunal do Júri, Antônio Nollêto. De acordo com o magistrado, não existe fundamento legal para a manutenção da prisão do grupo. Isso porque os denunciados responderam regularmente à Justiça, participando de todos os atos processuais a que foram intimados e garantindo que a instrução processual fosse concluída em tempo razoável.

Mais de 50% dos crimes letais intencionais ocorreram em 19 bairros da capital

Secretaria de Segurança Pública divulgou na manhã desta terça-feira um levantamento que detalha os crimes que ocorreram no estado em 2017.

Dados divulgados na manhã desta terça-feira (16) pela Secretaria de Segurança Pública indicam que apenas 19 bairros da capital concentraram mais de 50% dos crimes violentos letais intencionais (CVLIs), que incluem três tipos de crime:  homicídio doloso, latrocínio e lesão corporal seguida de morte. 

A zona sul foi a mais violenta de Teresina em 2017, com 31% dos CVLIs. Seguida pela zona norte (27%), zona leste (26%), zona sudeste (13%) e centro (3%).

Em 2017 houve 649 crimes violentos letais intencionais no estado, sendo 315 na capital e 334 no interior. O número foi quase 8% menor que o registrado em 2016, quando houve 705 CVLIs no estado.


Em Teresina, crimes violentos letais intencionais estão concentrados em 19 bairros

No ano passado ocorreram 600 homicídios dolosos no Piauí (289 na capital e 311 no interior), 43 latrocínios (25 na capital e 18 no interior) e seis crimes de leão corporal seguida de morte (um na capital e cinco no interior).


O delegado João Marcelo Brasileiro, coordenador do Núcleo Central de Estatística e Análise Criminal (Nuceac), destaca que a violência na capital, assim como no estado, apresentou uma considerável redução de 2016 para 2017, mas os bairros com mais incidência de crimes continuam sendo praticamente os mesmos. "Em compensação, a frequência dessas áreas de incidência diminuiu", afirmou o delegado.

O estudo apresentado pela SSP contém dados dos últimos quatro anos (2014-2017).

Presente no evento realizado na Acadepol, o secretário de Segurança Pública, capitão Fábio Abreu, ressaltou que os resultados positivos de 2017 só foram possíveis graças à "integração entre as Polícias Civil e Militar" no estado e aos crescentes investimentos que, segundo ele, têm sido realizados no setor pela atual gestão do governador Wellington Dias (PT).

Fábio Abreu afirmou que a meta da SSP é tornar o Piauí um dos estados mais seguros do país e o mais seguro da região Nordeste.

Em 104 municípios do estado não houve um assassinato sequer em 2017

Teresina, Parnaíba, Picos, Altos e Floriano concentraram o maior número de assassinatos no ano passado, sendo que 120 municípios do estado registraram pelo menos um CVLI, enquanto outros 104 não registraram sequer um CVLI durante todo o ano.

Este e outros dados integram o balanço da segurança pública no estado durante o ano de 2017. A apresentação do levantamento ocorreu na Academia de Polícia Civil (Acadepol), e contou com a presença da cúpula da SSP e de vários membros das Polícias Civil e Militar.

Taxa de CVLIs por 100 mil habitantes

Em 2017, houve 37,05 crimes violentos letais intencionais para cada 100 mil habitantes em Teresina. E considerado todo o estado, houve 20,16 CVLIs para cada 100 mil habitantes.

Tanto na capital quanto no estado como um todo houve uma redução na taxa de CVLIs entre 2016 e 2017.

Homens são mais de 90% das vítimas

Das 649 pessoas vítimas de crimes violentos letais intencionais no ano de 2017, 586 eram do sexo masculino (292 morreram na capital e 294 no interior). Outras 63 eram mulheres (23 morreram na capital e 40 no interior).

Percentualmente, 90,3% dos CVLIs vitimaram homens, e 9,7% tiveram mulheres como vítimas.

Piauí teve 24 feminicídios em 2017

De acordo com os dados do Núcleo Central de Estatística e Análise Criminal (Nuceac), dos 63 crimes violentos letais intencionais praticados contra mulheres em 2017, 24 foram tipificados como feminicídio, que corresponde ao assassinato de uma mulher motivado pela condição de gênero, quando, por exemplo, um homem mata a ex-mulher. 

As demais mulheres assassinadas morreram em outros tipos de crimes, como latrocínios (roubo seguido de morte).

Em 2016 houve 55 CVLIs com vítimas mulheres, sendo 31 feminicídios. Houve, portanto, uma redução de 22% no número de feminicídios de 2016 para 2017.

Perfil etário 

Em Teresina, 63,5% das vítimas de crimes violentos letais intencionais tinham entre 15 e 29 anos. Enquanto no interior 59,5% das vítimas tinham entre 20 e 39 anos.

Considerado todo o estado, a maioria das vítimas (52%) tinha entre 15 e 29 anos.

Assaltos

Angelim, Centro, Dirceu, Santa Maria da Codipi e Mocambinho são os bairros em que ocorreram mais roubos no ano de 2017. 

Em relação a 2016, houve uma variação de -5% nesse tipo de crime, de acordo com os dados da Secretaria de Segurança Pública. Foram registrados 19.082 assaltos em Teresina no ano passado, enquanto no ano anterior ocorreram 20.076 assaltos.

Em 2016, por sinal, ocorreu o ápice de uma curva de ascendente no número de roubos em Teresina. Em 2014 foram registrados 16.410 crimes desse tipo, e em 2015 foram 17.782.

Roubo de veículos

Com relação ao roubo de veículos, o núcleo de estatística da Polícia Civil registrou uma queda de 11% de 2016 para 2017. "Foi uma das maiores reduções já registradas pelo núcleo. E no ano passado ocorreu o menor número de roubo de veículos dos últimos quatro anos", apontou o delegado João Marcelo.