Portal O Dia
  • Portal O Dia /
  • Piauí /
  • Teresina é a capital que mais mata por homofobia em todo o Brasil

Teresina é a capital que mais mata por homofobia em todo o Brasil

Dos 15 crimes contra homossexuais no Piauí, 13 aconteceram somente em Teresina

11/01/2013 11:42

O Piauí, em 2012, registrou 15 mortes violentas de homossexuais, deixando o Estado em 3º lugar dentre os que mais matam por homofobia. Desses 15 crimes, 13 aconteceram somente na capital, que é hoje considerada a mais homofóbica do país, com um índice de 15,66 mortes para cada um milhão de habitantes.

Os dados são do Grupo Gay da Bahia (GGB) e foram divulgados no último dia 10. Há 30 anos o Grupo realiza levantamentos a respeito da situação dos homossexuais em todo o país. Os dados trazem ainda um perfil das vítimas. No Piauí, elas foram nove gays, quatro travestis e duas lésbicas. Em Teresina, as 13 vítimas foram gays.

Em segundo lugar dentre as capitais, com uma taxa de 13,47 e um total de 10 mortes, aparece a cidade de João Pessoa (PB). Em seguida, em 3º e 4º lugar, aparecem respectivamente as capitais também nordestinas de Maceió (AL) e Natal (RN). Manaus (AM) foi a capital onde foi registrado o maior número absoluto de assassinatos, 14.

Em todo o Brasil, foram documentados 338 assassinatos de gays, travestis e lésbicas, incluindo duas transexuais brasileiras mortas na Itália. O número representa um assassinato a cada 26 horas. Um aumento de 27% em relação ao ano passado (266 mortes) crescimento de 177% nos últimos sete anos.

Vítimas no Piauí

Veja aqui detalhes sobre as vítimas em todo o Brasil.

Em Teresina, as vítimas foram: os gays Romildo Pereira da Silva, 24; Francisco Neto de Oliveira (conhecido como Chiquinha), 35; Valdeci da Silva Pereira, 26; Raimundo Gomes Amorim, 60; João Neto, 18; Marcílio Ângelo Meireles e Nícolas - os dois últimos sem idades fornecidas - ; as travestis Cícero Neto Brás de Sousa (conhecido como Neto Viado), 28; Eliomar Machado de Almeida (conhecido como Marcela), 23; Fernando Candeira Aires Neto (conhecido como Roberta), 26; e José Carlos de Almeida; e as lésbicas Maria Irene Mendes Frazão, 36, e Maria Cristina de Oliveira, 28.

Fora de Teresina os crimes aconteceram em Capitão de Campos, município da região norte do Estado, onde foi vítima o gay Carlos Alberto de Sousa (conhecido como Dedé); e em Parnaíba, no litoral do Piauí, onde foi morto o homossexual Francisco de Assis Mendes dos Santos, 60.

Confira outros dados nas tabelas abaixo:

Perfil dos assassinos

Os assassinos também tiveram seus perfis traçados, embora não tenham sido especificados os locais onde os crimes foram praticados. Em todo o país, a maioria dos assassinos (58%) tinha entre 18 e 30 anos. O segundo maior índice foi de autores menores de idade, que correspondem a um total de 15%.

Dentre os assassinos com ocupações identificadas, 10 eram profissionais de segurança pública. Houve ainda dois profissionais do sexo, dois lavradores e dois motoristas entre os autores dos crimes. Um biólogo, um comerciante, um cozinheiro, um ex-presidiário, um faxineiro, um garçom, um mototaxista, um pedreiro e um vendedor ambulante também foram identificados.

Piauí é o 3º Estado que mais mata homossexuais

Com uma taxa de 4,75 mortes a cada um milhão de habitantes, o Piauí é o 3º em assassinatos de homossexuais. Em primeiro lugar aparece o Estado nordestino de Alagoas, com uma taxa de 5,6. Também da região Nordeste, em segundo lugar está a Paraíba, com um índice de 4,9.

Ao todo, 15 pessoas foram mortas no Estado em 2012, o que em número absolutos ainda deixa o Piauí dentre os 10 que mais matam por homofobia, ocupando o 7º lugar.

Impunidade no Piauí é de 60%

Dentre os 15 casos de mortes por homofobia que aconteceram no Estado, 9 não tiveram solução e os acusados continuaram livres. Com isso, o índice de impunidade dos autores dos crimes é 60% no Piauí.

O Estado com maior índice de impunidade é Roraima, em que dos dois casos de homicídio contra homossexuais, 100% não tiveram solução. O maior índice de resolução, com um caso ocorrido e solucionado, foi o Amapá. Em todo o Brasil, a média de impunidade é de 70%.

Por: Maria Romero

Deixe um comentário

Tópicos homofobia teresina crimes homossexuais,

Veja também

há 15 horas
Moradores do Residencial Torquato Neto têm as casas invadidas pela água sempre que chove.
há 21 horas
Médica infectologista explica que sepse não é uma doença, mas sim uma síndrome. Pois, trata-se de um conjunto de sinais e sintomas que acompanham um quadro infeccioso
há 21 horas
Profissionais relatam ainda que muitos direitos são negados. Exemplos como este tornam a “Lei da Terceirização” ainda mais polêmica.
há 1 dia
Apesar do aumento no número, caiu a quantidade de municípios com casos da doença registrados.