Portal O Dia
  • Portal O Dia /
  • Piauí /
  • 1.655 casos de violência contra mulheres foram notificados em Teresina em 2010

1.655 casos de violência contra mulheres foram notificados em Teresina em 2010

Uma mulher é assassinada a cada duas horas no Brasil, deixando o país em 12º no ranking mundial.

06/02/2011 09:00

"Passei 32 anos casada e sempre fui agredida pelo meu marido. Eu achava que era mesmo assim e que precisava manter meu casamento". O depoimento de dona Elizabete Alves, 50 anos, é igual ao de muitas mulheres que chegam todos os dias a uma das delegacias especializadas de atendimento à mulher para denunciar casos de violência doméstica e familiar.

O agressor, na maior parte dos casos, é o companheiro, marido ou namorado. Em 2010, foram registradas 1.655 ocorrências de violência contra mulheres na Delegacia da Mulher localizada no centro de Teresina. O número fica ainda mais alarmante se pensarmos que a delegacia do centro é apenas uma, dentre três delegacias especializadas na capital, e dentre oito em todo o Estado.

"Os municípios maiores do Piauí possuem delegacias especializadas de atendimento à mulher: Parnaíba, Piripiri, Floriano, Picos e São Raimundo Nonato. No entanto, esse número é ainda muito pequeno, insuficiente. Cidades como Oeiras e Campo Maior também deveriam ter delegacias da mulher. São 224 municípios e só existem as especializadas em seis. Precisamos de muito mais", considera a delegada Wilma Alves, titular da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher - Centro - Teresina. Segundo a delegada, o crime campeão de denúncias é a ameaça: "O homem ameaça pela força, pelo poder, pela cultura, pelo ciúme, pelo sentimento de posse. Por achar que é o senhor, aquele que manda, e pelo machismo é que o homem ameaça, constrange, humilha, bate, sufoca e por vezes mata a mulher", relata.

Mapa da violência

Uma mulher é assassinada a cada duas horas no Brasil, deixando o país em 12º no ranking mundial de homicídios de mulheres. A maioria das vítimas é morta por parentes, maridos, namorados, ex-companheiros ou homens que foram rejeitados por elas.

Segundo o Mapa da Violência 2010, do Instituto Sangari, 40% dessas mulheres têm entre 18 e 30 anos. Dados do Disque-Denúncia, do governo federal, mostram que a violência ocorre na frente dos filhos: 68% assistem às agressões e 15% sofrem violência junto com as mães, fisicamente. Em dez anos (de 1997 a 2007), 41.532 meninas e adultas foram assassinadas, segundo o Mapa da Violência 2010, estudo dos homicídios feito com base nos dados do SUS. A média brasileira é de 3,9 mortes por 100 mil habitantes. "O homem brasileiro não se conscientizou de que o mundo está mudando. Digo sempre que a mulher avança a passos de canguru, enquanto o homem caminha com passos de tartaruga. Não podemos dizer que os dados revelam que aumentou o número de agressões contra mulheres, porque a verdade é que antes da Lei Maria da Penha eram inúmeros os casos de subnotificação, ou seja, de agressões não denunciadas pelas mulheres", pondera a delegada Wilma Alves.

Para a delegada, a Lei Maria da Penha é um divisor de águas na defesa pelos direitos das mulheres. "A Lei Maria da Penha se estende à violência doméstica em familiar e mudou todo o tratamento dado aos casos de agressão contra mulheres, porque tipificou e descreveu os crimes de natureza doméstica e familiar, que hoje são classificados como violência física, psicológica, sexual, patrimonial e moral (difamação, injúria e calúnia)", considera Wilma Alves.

Regis Falcão / O DIA

Notificação de violência doméstica por hospitais e escolas

Núcleo Hospitalar de Epidemiologia do HUT notifica 25 casos de violência doméstica por mês. Em 2010, foram 294 notificações

Desde o último dia 26 de janeiro, os profissionais de saúde e de estabelecimentos públicos de ensino estão obrigados a notificar as secretarias municipais ou estaduais de Saúde sobre qualquer caso de violência doméstica ou sexual que atenderem ou identificarem. A obrigatoriedade consta da Portaria nº 104 do Ministério da Saúde, publicada no Diário Oficial da União - texto legal com o qual o ministério amplia a relação de doenças e agravos de notificação obrigatória.

Atualizada pela última vez em setembro de 2010, a Lista de Notificação Compulsória (LNC) é composta por doenças, agravos e eventos selecionados de acordo com critérios de magnitude, potencial de disseminação, transcendência, vulnerabilidade, disponibilidade de medidas de controle e compromissos internacionais com programas de erradicação, entre outros fatores.

Com a inclusão dos casos de violência doméstica, sexual e outras formas de violência, a relação passa a contar com 45 itens. Embora não trate especificamente da violência contra as mulheres, o texto automaticamente remete a casos de estupro e agressão física, dos quais elas são as maiores vítimas. A Lei 10.778, de 2003, no entanto, já estabelecia a obrigatoriedade de notificação de casos de violência contra mulheres atendidas em serviços de saúde públicos ou privados.

Segundo o Ministério da Saúde, a atualização da lista ocorre por causa de mudanças no perfil epidemiológico e do surgimento de novas doenças e também da descoberta de novas técnicas para monitoramento das já existentes, cujo registro adequado permite um melhor controle epidemiológico. Na última atualização haviam sido acrescentados à lista os acidentes com animais peçonhentos, atendimento antirrábico, intoxicações por substâncias químicas e síndrome do corrimento uretral masculino.

O Hospital de Urgência de Teresina Dr. Zenon Rocha, por meio do Núcleo Hospitalar de Epidemiologia - NHE, realiza diariamente uma busca ativa de casos de violência doméstica que deram entrada no hospital. Por mês, o NHE notifica cerca de 25 casos de violência doméstica. Apenas no ano passado foram notificados 294 casos, principalmente, em mulheres e crianças.

De acordo com o gerente do NHE, Rui Cipriano, o Núcleo trabalha em parceria com o serviço social do HUT no sentido orientar as vítimas de violência doméstica a respeito da importância de denunciar seus agressores. "No caso das mulheres, explicamos sobre a importância da denúncia e orientamos como proceder, até para segurança delas. As crianças, como são consideradas indefesas, notificamos o Conselho Tutelar, obedecendo às orientações do Estatuto de Defesa da Criança e do Adolescente", explica Rui Cipriano. A função do NHE é notificar as doenças de notificação compulsória e agravos não transmissíveis gerando dados para o Ministério da Saúde no sentido de melhorar o direcionamento das políticas públicas de prevenção e controle de doenças da região de atuação.

"Esse levantamento é realizado através de pesquisa dos prontuários e boletins de entradas dos pacientes e os casos de doenças de notificação compulsória são encaminhados para a Fundação Municipal de Saúde, para investigação", destaca Cipriano. Em 2010, o Núcleo Hospitalar de Epidemiologia notificou quase 1500 casos de doenças de notificação compulsória e agravos não transmissíveis revelando a violência doméstica como uma das principais causas de atendimento no HUT, vitimando crianças, mulheres e idosos.

Valor da Mulher

A delegada aponta como parceira fundamental na luta pela defesa dos direitos da mulher a Polícia Militar do Piauí, que responde prontamente ao chamado das vítimas e prende os agressores em flagrante delito. "Além de vir pessoalmente à Delegacia, a mulher pode recorrer ao número 190. A Polícia Militar atende rapidamente, porque em polícia não há madrugada, toda hora é hora. É um trabalho que nos deixa cansados, mas extremamente satisfeitos, por sabermos que estamos dando cumprimento às leis de forma ágil e eficiente", declara Wilma Alves.

Se o caso de agressão doméstica e familiar envolver menores, a Delegacia encaminha ao juizado competente: "Em casos de separação, principalmente, a criança é quem mais sofre. Muitas vezes ela fica como um elástico: o pai 'puxa' de um lado e a mãe de outro. Noutras situações, o menor é usado como instrumento de vingança contra o ex-companheiro. Há casos de mães que jogam os filhos contra os pais e vice-versa. A criança é a maior prejudicada. Essa postura pode causar danos permanentes no psicológico da criança, até porque a violência doméstica e familiar extrapola os limites da casa e se estende à escola dos filhos, aos vizinhos e às famílias do casal", observa Wilma Alves.

Regis Falcão / O DIA

A delegada destaca também o serviço social da delegacia da Mulher, que acompanha as vítimas de violência e as orienta: "Nossas assistentes sociais escutam as mulheres e as aconselham de modo a resolver os problemas da melhor forma possível. Quando há a necessidade de encaminhar uma mulher ao abrigo, a assistente social acompanha essa vítima para que ela pegue, em casa, seus pertences de uso pessoal. Além disso, quando há crime mas a mulher não quer desfazer o casamento, as assistentes sociais conversam com o casal e dão orientações no intuito de resolver amigavelmente a demanda. No entanto, se o diálogo não for suficiente, é feito o encaminhamento do processo criminal", descreve. O serviço social das delegacias especializadas de atendimento à mulher é o responsável também por orientar o agressor quando de sua soltura mediante pagamento de fiança.

"O valor da fiança depende da gravidade do crime e, desde outubro passado, existe um dispositivo para evitar que a mulher retire a denúncia. Mesmo quando há o pagamento da fiança, o processo criminal segue normalmente, daí a importância de orientar o agressor de que a culpa de ele ter sido preso não é da mulher, mas de suas próprias ações. Na conversa com o agressor, nós o conscientizamos que a soltura não significa extinção do processo e que, se houver a reincidência na agressão, ele não terá mais direito ao pagamento da fiança e deverá ficar detido pelo prazo que determina a Lei, o qual varia de 3 meses a 3 anos de detenção", esclarece Wilma Alves.

Para a delegada, o trabalho das delegacias especializadas de atendimento à mulher e a aplicação da Lei Maria da Penha estão dismitificando uma sociedade em que o homem era visto como o senhor, o dono e a mulher era encarada como objeto.

"Antes, a mulher achava que sofrer pelos desmandos masculinos era o seu destino. Por isso ela se calava. É uma questão cultural. A Lei Maria da Penha ajudou a elevar o nível de consciência da mulher, que hoje tem a capacidade de reconhecer o seu valor e de se constituir como sujeito possuidor de direitos e deveres. Estamos destruindo um sistema arcaico de poder macho e construindo um novo sistema, de isonomia entre homens e mulheres, que se configuram verdadeiramente como companheiros, parceiros. Já trabalhamos muito e alcançamos conquistas valiosas, mas temos a consciência de que não chegamos ainda nem ao degrau mais baixo do pódio. Há ainda um caminho muito longo a ser percorrido e nós vamos trilhá-lo", encerra a delegada Wilma Alves.

A reprotagem completa você confere na edição do Jornal O DIA deste domingo - Faça a sua assinatura do Jornal líder em Credibilidade há 60 anos: (86) 2106 9927 / assinatura@jornalodia.com.br

Fonte: Jornal O DIA
Por: Viviane Bandeira

Deixe um comentário

Tópicos delegacia delegada mulher Vilma violência,

Veja também

há 11 horas
Desembargador bloqueou mais de R$ 19 milhões para pagamento de indenização.
há 14 horas
70 trabalhadores que prestaram serviços à Coosergepi serão beneficiados.
há 17 horas
As matrículas dos aprovados acontecem nos dias 27 e 28 de novembro e dia 01 de dezembro de 2014, das 9h às 21h, na sede da faculdade.
há 19 horas
Major orienta que adultos não entrem no mar ou piscinas após ingerir bebidas alcoólicas. Cuidado com as crianças também deve ser redobrado.