Portal O Dia

Avelós, a planta do cachorro pelado, a cura do câncer?

Extrato da planta ?cachorro pelado? é objeto de pesquisa; pacientes relatam casos surpreendentes.

28/03/2010 09:13

Quem diria que uma simples planta de jardim, que fazia a festa da criançada para a queda de verrugas - com a utilização do leite que escorre dos galhos, a um simples corte - viesse a ser matéria-prima de um xarope que passou a alternativa para quem está acometido de câncer. Embora as pesquisas ainda estejam em andamento, seu uso já proporciona resultados favoráveis a muitos pacientes, com cura comprovada de outros mais. Trata-se do avelós, também conhecida em algumas regiões do Nordeste do Brasil como "cachorro pelado".

Os resultados em todo o Brasil são animadores, e em Teresina não poderia ser diferente. Embora não queiram declinar os nomes, em razão do estigma da doença que ainda assusta muita gente, os pacientes fazem questão de relatar suas experiências. Os nomes são fictícios, mas os relatos reais:

"Vinha me tratando de um câncer no intestino há um ano e meio, e a situação piorava a cada dia. Não tinha mais força para nada, nem tampouco paciência. As dores eram insuportáveis", conta Raimundo Nonato, casado, com filhos e netos. Entusiasmado com os resultados alcançados, ele faz uma análise do histórico de seu quadro clínico.



"Estou tomando o xarope há apenas um mês e confesso que estou muito bem; para minha surpresa e dos médicos que me acompanham. A minha evolução é surpreendente. Só para exemplificar, eu não mais conseguia dormir. Ficava a noite inteira com dores, revirando-me na cama e com total indisposição durante o dia inteiro", diz Raimundo, acrescentando que sua vida tomou outro rumo, dando-lhe esperanças e confiança num futuro que pensara perdido.

"Estou com 58 anos, me alimento bem e a cada dia me sinto melhor, bem disposto. Este é realmente um santo remédio", assinala. Atualmente, Raimundo toma três porções ao dia, mas a quantidade varia de caso a caso.

Entretanto, pesquisadores da planta alertam para o bom senso, deixando claro que não se pode correr atrás do xarope como uma panaceia, ou mesmo como a chave para a cura do câncer, já que as pesquisas ainda estão em andamento. Se os pesquisadores pensam assim, quem está utilizando o xarope não tem opinião tão diferente:

"Há dois anos os médicos diagnosticaram um câncer de próstata em mim. Comecei um tratamento e estava melhorando, mas muito devagar. Foi então que tomei conhecimento da mistura feita com o leite do avelós. Um sobrinho me falou sobre o remédio porque a irmã dele, que estava também com câncer, vem melhorando muito com o uso desse medicamento", ressalta Leôncio Batista de Andrade, 77 anos, vaqueiro aposentado.

Demonstrando muita vivacidade, Leôncio lembra que tomou a medicação durante oito meses. "Quando voltei ao médico, ele disse que do câncer de próstata eu não morreria, que estava curado", diz, sob a observação da esposa, Maria Saraiva. Para ter maior certeza, ele fez um novo exame no último dia 24: "Nunca mais senti nada; vivia um verdadeiro tormento", observa. Sem revelar o nome do médico, ele ressalta que começou a tomar avelós com o consentimento dele.

"Ele achou que não tinha problema, desde que não tomasse as duas medicações "misturadas", ao mesmo tempo", conta. E é justamente esse resultado positivo que tem levado vizinhos de Leôncio a plantar o avelós em jarros, em jardins.

Medicina recomenda cautela e atenção

O médico oncologista – profissional especializado no tratamento do câncer – André Luiz Sobral disse que, comprovadamente pela ciência, ainda não há dados, nem tampouco segurança no tocante a curas da doença pelo avelós. O que existem, de acordo com ele, são relatos de pacientes que dizem ter melhorado com o uso do xarope. “O avelós tem sido estudado, podendo até vir a ser um ótimo remédio para esse mal, mas até agora nada foi confirmado; o que há são pesquisas não concluídas”, argumenta.

“É preciso esperar os resultados de uma pesquisa científica, e não se deixar levar por comentários, por relatos. Acho que a afirmação dando conta de que esse xarope é benéfico, chegando até mesmo a curar pacientes com câncer, é muito precoce. Eu, particularmente, não recomendo o avelós, simplesmente pelo fato de ainda não se ter uma confirmação científica de seus benefícios”, ressalta o médico. Ele argumenta ainda que no passado muitas outras plantas foram consideradas "milagrosas", e tudo não passou de um blefe; de propaganda que iludiu muita gente.

Entretanto, André Sobral alerta que se o paciente quiser tomar o remédio em questão deve comunicar ao médico que o assiste. “É preciso que o médico esteja ciente de tudo isso, até porque ainda não se sabe sobre os efeitos colaterais que essa medicação pode acarretar”, lembra. André pede a todos que tenham cautela, que aguardem os resultados das pesquisas e não se deixem levar por conversas, “até mesmo porque não se sabe que tipo de câncer poderá vir a ser curado pela utilização do avelós, a dose ideal. Não sabe também se esse xarope afeta o uso de outros medicamentos”.

Já o agrônomo Francisco Leal, do Núcleo de Plantas Aromáticas e Medicinais da Universidade Federal do Piauí, diz que o avelós vem sendo muito utilizado e procurado em Teresina, ao mesmo tempo em que alerta para que se tenha cuidado, “porque é preciso ter conhecimento, saber manipular direito o leite da planta citada”, explica, acrescentando que o Núcleo não receita, “apenas trabalha a melhor informação, bem como também faz a sua propagação”. Concluindo, ele deixa claro que faz apenas o manejo agronômico.

Leia mais na edição de hoje no caderno Domingo do Jornal O Dia
Fonte: Marco Vilarinho / Jornal O Dia
Edição: Portal O Dia
Repórter: Portal O Dia

Deixe um comentário

Tópicos

Veja também

há 4 horas
Meios de comunicação terão que assinar Termo de Ajuste e Conduta.
há 9 horas
Emanuel José Rodrigues de Melo teve cortes nas mãos, joelho, braços e pescoço. Primeira hipótese é que crime tenha sido latrocínio.
há 10 horas
Sindicato dos Servidores do Judiciário quer apoio dos demais funcionários à greve nacional.
há 11 horas
Economista avalia que os preços de combustíveis, como o gás de cozinha e a gasolina, só não aumentaram devido ao período de eleições.