• Patrimônio 09/17
  • Unimed
  • assinatura jornal

Notícias Art/Gente

27 de agosto de 2017

Baterista que cantava, Wilson das Neves sai de cena no Rio aos 81 anos

Neves era conhecido na música brasileira como o excepcional baterista que tocava com ícones da MPB como Chico Buarque e Elza Soares.

Se Chico Buarque sair em turnê com o show do recém-lançado álbum Caravanas, o cantor não poderá mais contar com a maestria do baterista Wilson das Neves (14 de junho de 1936 – 26 de agosto de 2017) na banda. Das Neves morreu na noite de ontem, vítima de câncer. Estava internado em hospital da Ilha do Governador, bairro do Rio de Janeiro (RJ), cidade onde o artista nasceu há 81 anos e onde se tornou conhecido no meio musical como músico e, depois, como cantor e compositor.

Até os 60 anos de vida, o carioca Wilson das Neves era conhecido no universo da música brasileira como o excepcional baterista que tocava com ícones da MPB como Chico Buarque, cuja banda integrava desde 1982. Ele era o baterista cheio de suingue que chegou a gravar e assinar com Elza Soares um álbum lançado em 1968 pela gravadora Odeon, em fase áurea da cantora. O baterista nunca saiu dos palcos e dos estúdios, mas virou cantor aos 60 anos.


Foto: Daryan Dornelles

Em 1996, o artista se lançou como cantor com o aclamado álbum O som sagrado de Wilson das Neves. Neste disco, Das Neves apresentou O samba é meu dom – parceria com Paulo César Pinheiro que se tornou um clássico com o passar dos anos – e gravou com Chico Buarque, parceiro e convidado da música Grande hotel. De lá para cá, foram mais três álbuns – Brasão de Orfeu (2004), Pra gente fazer mais um samba (2010) e Se me chamar, ô sorte(2013) – como cantor e compositor, parceiro de bambas como Nelson Sargento, Aldir Blanc, Chico Buarque e o recorrente Paulo César Pinheiro.

Querido em todo o meio musical, Das Neves também integrou desde 2003 a Orquestra Imperial, big-band carioca formada por músicos bem mais jovens do que ele. Mas que o tratavam com a jovialidade que caracterizava a personalidade de Das Neves, conhecido pelo bordão "ô, sorte!". A carreira de ritmista, longeva, foi iniciada na década de 1950 como baterista na orquestra de Permínio Gonçalves. A partir dos anos 1960, Das Neves se tornou requisitado músico de estúdio – a ponto de ter gravado as baterias do antológico álbum Coisas (1965), do maestro Moacir Santos (1926 – 2006) – sem deixar de exercer o oficio de baterista em bailes animados pelos conjuntos de nomes de Ed Lincoln (1932 – 2012).


Foto: Daryan Dornelles

No fim dessa década de 1960, quando já tinha o próprio conjunto, Das Neves lançou os álbuns Juventude 2000 (1968) e Som quente é o Das Neves (1969), tocando nestes discos músicas então recém-lançadas de Caetano Veloso (Irene), Gilberto Gil (Domingo no parque), Jorge Ben Jor (Zazueira) e Roberto Carlos & Erasmo Carlos (Se você pensa). A discografia do artista se manteve nessa linha ao longo dos anos 1970, década em que se lançou (ainda timidamente) como compositor em outro álbum intitulado O som quente é o do Das Neves e editado em 1976. Mas foi somente em 1996, 20 anos mais tarde, que Wilson das Neves se firmou como compositor e virou cantor. Sem nunca deixar de ser requisitado pelo som sagrado que tirava da bateria. Quem conviveu e tocou com ele repete o bordão: "ô, sorte!".

23 de agosto de 2017

21 de agosto de 2017

Fábio de Melo diz que Síndrome do Pânico abalou fé: 'Não queria ser padre'

Ao 'Fantástico', religioso se emocionou ao contar que recorreu à mãe em momento de crise: 'Desespero era muito grande'

O Padre Fábio de Melo está se tratando da Síndrome do Pânico, mas passou por momentos bem difíceis por causa da doença recentemente. Em entrevista ao "Fantástico", neste domingo (20), o religioso contou que pensou em desistir do sacerdócio durante um período de crise. "Pensei: 'Não tenho mais coragem de enfrentar as pessoas'", declarou ele.

Fábio de Melo está em tratamento contra Síndrome de Pânico. Foto: Divulgação

Em conversa com Poliana Abritta, Padre Fábio de Melo contou que sua mais recente crise de pânico aconteceu após um voo. "Eu estava pousando em Fortaleza no fim de julho. Estava bem, mas senti um sintoma semelhante ao que tive a dois anos atrás. Não tive vontade de sair do avião. Então peguei o medicamento, que já fica na bolsa, desci e entrei no hotel com sensação de desespero e mal estar. Quando cheguei na segunda em casa, eu desabei. Me escondia debaixo da cama, tamanho era pavor que eu sentia", relembrou. Por causa dela, o padre ficou uma semana trancado em casa. O cantor se emocionou ao contar que recorreu à mãe, Ana Maria. "Teve um dia que meu desespero estava tão grande que eu não queria falar com outra pessoa sem ser ela. Eu sou o Padre Fábio de Melo, mas eu continuo sendo o Fabinho da minha mãe".

Padre Fábio de Melo conta que as crises de pânico mexeu com sua fé. "Abalou muito. Foram dias que eu decidi tanta coisa rapidamente. Eu pensava que não queria mais ser padre. Pensava: 'Não tenho mais coragem de enfrentar as pessoas, de ser quem eu sou'", relembrou. "Eu tenho que pensar o tempo todo que eu vou dar conta", afirmou ele, que é famoso nas redes sociais por suas postagens.

Na entrevista, Padre Fábio de Melo contou que está tomando remédios para se recuperar das crises. "Estou bem melhor, graças a Deus. Medicado e vivendo um processo de recuperação diária. Sei que é por causa da química que já está em mim. O próximo passo é a análise", declarou. Ele foi sincero ao dizer que não está 100% recuperado. "Tenho muita humildade para dizer que não estou inteiro. Estou trabalhando e não posso parar porque parar hoje é deixar a Síndrome do Pânico tomar conta de mim", concluiu ele, que declarou ter incômodo com sobrancelhas desenhadas.

20 de agosto de 2017

Piauiense Monalysa Alcântara é eleita Miss Brasil 2017

Miss Piauí superou outras 26 concorrentes, que representavam os demais estados da federação.

A piauiense Monalysa Alcântara foi eleita Miss Brasil 2017, em evento realizado na noite deste sábado, dia 19 de agosto, na cidade de Ilhabela, litoral de São Paulo.

Mona, como é chamada pelos mais íntimos, superou outras 26 misses, representantes dos demais estados e do Distrito Federal. Agora, a grande vencedora vai representar o país no Miss Universo.

A piauiense tem apenas 18 anos e é estudante do curso de Administração. Com 1,77 metro de altura e 57 kg, a Miss Brasil tem 69 cm de cintura, 95 cm de quadril e 87 cm de busto.

Juliana Mueller, Miss Rio Grande do Sul, ficou em segundo lugar, e em terceiro, Stephany Pim, Miss Espírito Santo.

Defensora do empoderamento feminino, Monalysa Alcântara revela ter enfrentado situações preconceituosas que a fizeram amadurecer e superar as dificuldades com determinação.

Mona considera que sua vitória no principal concurso de beleza do país servirá para que outras mulheres negras acreditem ainda mais em si próprias e na sua beleza.

Ao final do concurso, diversas celebridades usaram as redes sociais para parabenizar Monalysa. A atriz global Grazi Massafera, por exemplo, postou no Twitter que a "Miss Piauí é a que mais tem a cara do Brasil".

"Linda, elegante, carismática, merece muito nos representar no Miss Universo", acrescentou Grazi.


Vitória deve render contratos à piauiense

Além de representar o Brasil no Miss Universo, Monalysa Alcântara será a embaixadora da empresa que organizou o concurso - a BE Emotion, marca de beleza da Polishop.

"Muito mais do que uma referência de beleza, a Miss desempenha um papel fundamental na sociedade: representar a voz e a alma da mulher contemporânea, que busca cada vez mais o respeito, os direitos iguais e o valor de suas opiniões.  Ser bela, carismática e simpática é essencial. No entanto, é preciso saber usar essas qualidades para transformar, engajar e fazer a diferença.  A personalidade da Miss deve transcender em suas atitudes, porque a coroa não representa somente seus aspectos físicos, mas também a sua responsabilidade e o compromisso em inspirar as pessoas a se tornarem seres humanos melhores para o mundo", destaca a organizadora do evento - BE Emotion, marca de beleza da Polishop.

 

19 de agosto de 2017

Juliana Paes fala da boa forma após os filhos

Atriz, de 38 anos, é casada com Carlos Eduardo Baptista, com quem tem Antonio e Pedro

Juliana Paes sempre teve um dos corpos mais elogiados do Brasil, mas somente depois de dar à luz Antonio e Pedro, do casamento com Carlos Eduardo Baptista, a atriz passou a cuidar da boa forma com uma alimentação mais regrada e atividades físicas regulares.

"Eu sempre tive boa genética, presente de pai e mãe mesmo. Talvez por isso, nunca tive que batalhar muito para ter esse desenho corporal. Claro que sempre me cuidei, mas nunca foi uma questão de morrer na academia, fazer mil dietas... Nunca tive tendência para engordar, mas depois dos filhos comecei a cuidar de verdade, ir para a academia regularmente e ter mais cuidado com o que como. Tive que correr atrás do prejuízo. São dois filhos e a barriga não é aquela que veio ao mundo, tive que lutar para encaixar ela de novo. A maternidade me deu esse presente e essa necessidade de correr atrás de um prejuízo", explica a QUEM.


Juliana Paes (Foto: Reprodução/Instagram)

A estrela quase cortou por definitivo o pão de sua dieta e passou a controlar a ingestão de doces e álcool. "Não como mais pão como comia. Não gosto de falar sobre a minha dieta porque cada um tem uma necessidade, mas se pudesse dar um conselho seria: encontre o seu equilíbrio. Depois que você encontra esse ponto, fica complicado de engordar e emagrecer também. Não vou perder quatro quilinhos em uma semana como anos atrás. Encontrei o equilíbrio. Para engordar de uma forma notável, vou precisar de muita viagem porque em viagem a gente engorda", conta a atriz, que interpreta Bibi na novela das 9h A Força do Querer.

Atualmente com 38 anos, Juliana afirma que gosta mais de suas curvas agora. "Percebi que a alimentação e os exercícios fazem toda a diferença. Estou mais magra mesmo e mais feliz e segura com o meu corpo. Me sinto melhor hoje do que dez anos atrás", conta. 

18 de agosto de 2017

Andressa Suita rebate críticas sobre tatuagem

Modelo tatuou nome do filho na quarta-feira (16)

Modelo e mulher de Gusttavo Lima, Andressa Suita fez uma tatuagem em homenagem ao filho Gabriel na quarta-feira (16), mas seus seguidores criticaram a decisão da mamãe.Em um estúdio de tatuagem em Goiânia, ela tatuou o nome do filho próximo ao ombro.

 "E quando você tem exatamente uma hora para fazer alguma coisa na rua e voltar para casa para dar de mamar? Arte! Aí você chama sua amiga que te apoia em todas as loucuras", brincou Andressa em vídeo publicado no Instagram.

Andressa ainda está em período de amamentação do filho. Foto: reprodução/instagram

Alguns seguidores questionaram Andressa sobre tatuar no período de amamentação. A mamãe fez questão de explicar sua decisão. "Tem muita gente preocupada com o fato de ter me tatuado e estar amamentando o Gabriel. Agradeço demais o carinho e vou esclarecer alguns mitos. Não há risco de absorção da tinta no leite materno, mas é necessário escolher muito bem o estúdio, o tatuador, o material utilizado deve ser de qualidade e estéril", escreveu ela em mensagem publicada no Insta Stories na quinta-feira.

"Os tatuadores devem usar luvas, máscaras, possuir autorização de funcionamento e certificados de cursos na área. Serem vacinados contra hepatite B e não utilizar restos de pomadas e tintas. Aliás, esses cuidados devem ser tomados por qualquer pessoa que decida se tatuar. A minha sessão foi super rápida, esse é outro ponto a ser observado. Escolher horários que não interrompam a rotina de amamentação do bebê. Para mim era muito importante registrar na pele esse amor que transborda meu coração", continuou ela.

'Nunca mais serei feliz', desabafa viúva do ator Paulo Silvino

Giseli fez um desabafo emocionado em seu Facebook

Giseli Silvino,  Viúva do humorista Paulo Silvino que morreu nesta quinta-feira, aos 78 anos, em decorrência de um câncer no estômago,  fez um desabafo emocionado no Facebook. Ela escreveu que nunca mais vai ser feliz sem o artista, a quem chamou de "eterno amor".

"A única coisa que tenho certeza é que eu nunca mais serei feliz.... Você foi o melhor marido do mundo! Fez da minha vida um mundo encantado... Meu eterno amor", escreveu.

Giseli informou na publicação que o velório do ator será realizado nesta sexta-feira, na capela 8 do Memorial do Carmo, de 9h às 14h. Ela ainda agradeceu pelo carinho dos amigos no momento de dor.

O ator e humorista morreu aos 78 anos, em sua casa, na Barra da Tijuca, no Rio. A informação foi divulgada pelo filho do artista, João Paulo Silvino, que fez uma postagem numa rede social em homenagem ao pai. "Que Deus te receba de braços abertos meu pai amado", escreveu ele. O humorista lutava contra um câncer no estômago.

Silvino começou sua carreira com atuações no rádio, mas já nos anos 1960 deu início a sua trajetória na TV. Autor de bordões populares, ele integrou diversos humorísticos da Rede Globo, como "Faça humor, não faça guerra" (1970), "Uau, a companhia" (1972), "Planeta dos Homens" (1976) e "Viva o Gordo" (1981). No "Zorra Total" (1999), o personagem Severino ganhou fama nacional com o bordão "cara e crachá".

17 de agosto de 2017

Ex-bbb Rodrigão desabafa sobre boatos a respeito de sua vida financeira

Cantor usou sua conta oficial no Instagram para esclarecer a origem do padrão de vida elevado que exibe com sua família nas redes sociais

O ex-BBB Rodrigão não quer saber de ninguém opinando na sua vida financeira. Cansado de ouvir boatos sobre a origem do dinheiro que banca o padrão de vida elevado que ele exibe ao lado da mulher, Adriana Sant'anna, e o filho, Rodrigo, o cantor decidiu se pronunciar em sua conta oficial no Instagram.


O casal divulgou recentemente que estaria esperando o segundo filho. Foto: Arquivo Pessoal/Instagram

"Algumas vezes eu e minha mulher somos ofendidos e até mesmo debochados na rede social com perguntas do tipo: 'O que vocês fazem da vida?', 'Trabalham em que?', 'Vivem do que?' ... E aí eu te respondo: Não se preocupe!! Uns podem achar que somos mega falidos e outros que somos super ricos. Isso não importa!! Realmente, hoje, temos uma vida um pouco mais tranquila porque ralamos muito no passado! Mas o que nos preocupa de fato, não é a nossa vida, mas sim a de pessoas que não podem arcar com a vida que levam e querem levar apenas para manter a aparência!! Muitos se endividam e vivem uma vida que não poderiam bancar e no final só caem na tristeza e no fracasso, pois o dinheiro é só uma máscara para a riqueza", desabafou.

Rodrigão continou o texto alfinetando quem vive de aparência nas redes sociais. "Ele te faz parecer rico, mas de fato, quem se endivida, quem tem um carro financiado, imóveis financiados e dívidas no banco, mas tiram fotos bonitas no instagram, não é rico de fato. As pessoas não veem o que acontece por trás das minhas postagens, nos bastidores. Poucos sabem que durante os últimos sete anos eu fui guardando dinheiro. De grão, em grão, fui investindo cada vez melhor o pouquinho que sobrava, para hoje ter um pouco mais de tranquilidade. E quero poder ajudá-los nisso", disse.

No fim do post, o ex-brother ainda deu conselhos de como fazer economia aos seus seguidores. "Só desejo transparência, verdade e sucesso (e quem sabe um pouquinho de educação financeira) a você para entender que a riqueza não está nas 18 horas de trabalho por dia, está na sua mente! Muitas pessoas passam a vida toda trabalhando pelo dinheiro, enquanto que se tivessem um pouco mais de conhecimento e foco, poderiam fazer o dinheiro trabalhar a seu favor. Ganha dinheiro, economiza e investe. Em algum momento desse ciclo, o dinheiro vai te dar uma trégua", afirmou.


Post do cantor em sua rede social 

16 de agosto de 2017

Ex-BBB revela proposta inusitada de fã: 'Queria um filho comigo'

Médico disse que recebe muitas cantadas nas redes sociais

Marcos Härter entregou que o assédio aumentou bastante desde sua saída do "BBB17". O médico, aliás, disse que tem recebido convites bem inusitados das fãs. "No consultório não, as pessoas me respeitam bastante. Mas, em rede social, há muitas cantadas. Cantadas, inclusive, assustadoras e propostas inacreditáveis", revelou em entrevista ao "TV Fama" na última terça-feira (15). O ex-BBB ainda detalhou o pedido mais diferente que ouviu: "A pessoa queria ter um filho comigo. Queria doação de esperma. A pessoa falava 'Quero ter um filho contigo. Nunca vou te incomodar'".

Em seu Instagram, o ex-BBB postou uma foto com a estudante Babi Rocha, apontada como sua namorada, no começo de julho. Marcos, no entanto, disse que não rotulou o relacionamento: "Estou enrolado". "Não existe 'oi, tudo bem, vamos namorar?'. Existe se conhecer, ver quem é, ir ficando. Não sou muito de definir 'estamos namorando'. Deixa rolar, o corpo fala e os sentimentos aparecem" , justificou.


A pessoa queria ter um filho comigo. Queria doação de esperma', revelou Marcos Härter. Foto: Divulgação, TV Globo / PurePeople

No confinamento, Marcos e Ilmar romperam a amizade depois de o gaúcho insinuar que o ex-brother estava devendo pensão para o filho. Porém, o médico disse que já se desculpou com Ilmar pelo ocorrido. "Houve um mal-entendido. No momento que eu expus o que aconteceu com o Ilmar, que era uma realidade, eu me ofereci para pagar os três meses atrasados (da pensão do filho de Ilmar). Eu quis mostrar que eu me considerava tão amigo que me ofereci para pagar a pensão". alegou. O cirurgião plástico, inclusive, alegou que o ex-BBB, vítima de ataque de fãs do casal Mally, ainda não o perdoou: "Não me incomodo de pedir desculpas, pedi por WhatsApp. Mas senti ele muito magoado. Ele tem que resolver essas questões. Eu estou de boa. Tenho achado ele um pouco orgulhoso. Já passou".

Em entrevista recente para o "Pânico no Rádio", Marcos, cotado para participar de "A Fazenda 9", minimizou a agressão à Emilly Araújo e culpou o estresse por seu comportamento agressivo. "Escorreguei, sai do sério, normal... Você está em um confinamento, passa fome, trabalho e tem uma pessoa lá infernizando."

Chris Brown revela detalhes da agressão a Rhianna: 'Ela cuspia sangue'

Em documentário sobre a vida do rapper, ele relata detalhes da relação com a cantora

Novos trechos do documentário sobre a vida de Chris Brown, lançado no começo de junho deste ano, foram divulgados nas redes sociais pelos fãs do cantor. No vídeo, Chris, de 28 anos, descreveu com detalhes sobre quando agrediu Rihanna, em 2009.

"Depois do que aconteceu, ela me odiava. Eu tentei de tudo, mas ela não confiava em mim. Tudo piorou a partir daí. Eram brigas verbais que se tornaram brigas físicas, dos dois lados", disse o cantor. "Eu ainda a amo, mas eu vou ser honesto. Nós brigávamos, ela me batia, eu batia nela, nunca foi tudo bem. Quando eu subia no palco, eu tinha arranhões no meu rosto e falava que havia caído. Se você tem um machucado ou hematoma, você põe maquiagem".

Chris Brown e Rihanna, durante o Grammy em fevereiro de 2013 (Foto: Christopher Polk/Getty Images for NARAS)

Ele relatou que a briga, que ganhou repercussão mundial, aconteceu na volta de uma festa. Chris disse tentou explicar que a Rihanna não sabia que a ex-namorada estaria no local e que a cantora tentou agredi-lo.

"Ela começou a ficar com raiva. Ela jogou o celular: 'Te odeio'. Ela começou a me bater em uma pequena Lamborghini (...) Como eu lembro, ela tentou me chutar, mas aí eu realmente acertei ela. Com o punho fechado, eu dei um soco, e isso rasgou o lábio dela. Quando eu vi, fiquei em choque. Pensei: 'Merda, porque eu bati nela assim?'", relembrou Chris Brown. Logo após a agressão, ele disse que Rihanna começou a cuspir sangue nele, o que o deixou com mais raiva. "Ela tentava pegar meu celular para jogá-lo pela janela", disse.

Chris também disse no documentário que se sentia como um monstro. "Eu pensava em suicídio e tudo mais. Eu não dormia e nem comia. Só me drogava", revelou o cantor. Em 2012, ele e Rihanna se reconciliaram e namoraram por poucos meses, antes de terminar tudo em 2013.

 Agressão

Na época, Chris Brown foi colocado em liberdade condicional depois de ter atacado a estrela de Umbrella. Rihanna conseguiu uma ordem de restrição contra o rapper depois que ele bateu nela em uma festa pré-show. Na ocasião, a cantora foi hospitalizada.

Em entrevista para a Vanity Fair, Rihanna falou que nunca tinha entendido como as vítimas sempre eram culpadas pelas agressões. "Está no passado, mas eu não vou falar 'supere isso', porque é algo muito sério e relevante, é real. Muitas mulheres e jovens estão passando por isso", falou a cantora. "Mas para mim, ou para qualquer outra mulher que foi vítima de abuso, ninguém quer lembrar. Ninguém quer admitir que passou por isso".

15 de agosto de 2017

Sandy responde "bronca" de Lucas Lima após festão da Tatá Werneck

Casal divertiu seus seguidores do Twitter, ao brincar sobre Sandy sair para a farra no fim de semana

No último domingo (13), Lucas Lima voltou a divertir seus seguidores no Twitter ao dar uma "bronca" em Sandy, após a cantora se divertir com os convidados famosos do aniversário, de 34 anos, de Tatá Werneck, realizado no sábado (12). "Planejo trancar a porta de casa para quando ela tentar entrar mandar um: 'Você vem da pagodeira, vai curar sua canseira bem longe do meu colchão", brincou o músico, fazendo trocadilho com "Maria Chiquinha", um das músicas de maior sucesso da dupla da mulher com seu cunhado, Junior.

A filha de Xororó tratou de deixar uma resposta divertida para o marido e rebater a "bronca". "Acho que você esqueceu de trancar", brincou ela, se referindo a porta, que supostamente encontraria fechada. Os fãs de Sandy aprovaram o post. "Entrou pela janela né, Sandy?", "eu já acho que o Lucão não quis correr esse risco, sendo que está cheio de concorrentes aqui fora", "olha que ela encontra vários colchões por aí hein, pensa bem", "o verdadeiro significado do melhor casal", foram alguns dos elogios deixados para a dupla, sempre trocando declarações de amor na web.

Post do casal no twitter 

Na rede social, os internautas comentaram a publicação bem-humorada do marido da artista, com quem ela está prestes a comemorar 9 anos de casada. "Cara, você ganhou meu respeito supremo agora", disse um fã. "Esse tweet é minha meta de relacionamento", comentou uma pessoa. "Seu humor é demais. Que Deus abençoe sua linda família", desejou outro. "Alguém tem de ser sensato nessa família e ficar cuidando do Theo", opinou mais um, sobre o herdeiro, cujo ela proíbe os fãs de publicar suas fotos na web.

Selton Mello ganha torcida por namoro com Marjorie Estiano: 'Shipparam a gente'

Diretor disse que estava 'apaixonado' pela atriz em participação no 'Altas Horas'

Selton Mello revelou que ganhou uma torcida para namorar com Marjorie Estiano depois de dizer que estava "apaixonado" pela atriz no "Altas Horas", no final de julho, após o trabalho na minissérie "Ligações Perigosas", de 2016, onde protagonizaram cenas quentes de sexo. O diretor entregou que a chance de engatar um romance com a atriz é pequena. "Depois da minha declaração para a Marjorie, as pessoas passaram a shippar a gente. Mas não sei dizer se podem ter esperanças. Acho que não. Aquilo foi uma declaração de amor à grande pessoa, à grande atriz que ela é. Ela é realmente adorável. Quero muito trabalhar com ela nesta vida. Mas vamos ver o que acontece", disse durante a pré-estreia de "Um Filme de Cinema", em Botafogo, zona sul do Rio, na segunda-feira (14).


Selton, Serginho e Marjorie no programa Altas Horas. Foto: Divulgação/TV Globo

Longe das novelas desde "Força de um Desejo", de 1999, Mello entregou que não tem intenção de voltar às telinhas no momento. Isso porque as tramas tomam muito tempo de trabalho e o ator pretende se dedicar à produções mais curtas. "Gosto de trabalhos mais curtos na TV como, por exemplo, séries e minisséries. Assim eu tenho mais liberdade para ter uma vida mais dinâmica e tocar os meus projetos, como dirigir e atuar em filmes. Novela é algo muito longo e prende demais o artista", avaliou. Vale lembrar que Selton acabou de lançar o longa "O Filme da Minha Vida", em cartaz nos cinemas, que teve sua direção.

No passado, Selton revelou casamento não faz parte de seus planos para o futuro. "Essas coisas (se casar) não têm como programar, mas não está no meu horizonte. Não é algo que me instigue muito", disse o diretor, que já falou de orgasmo abertamente na TV. No entanto, o ator não descartou a possibilidade de ter filhos mesmo sem um compromisso sério: "Mas quero ter filhos, não necessariamente casando, pode ser com uma amiga. E não tenho a menor ideia de quando. Não tenho pressa".

14 de agosto de 2017

13 de agosto de 2017

Terror brasileiro 'As Boas Maneiras' é premiado em festival europeu

Quem levou o "Leopardo de Ouro", principal prêmio da competição, foi "Mrs. Fang".

O filme de terror brasileiro "As Boas Maneiras" ganhou neste sábado (12) o prêmio especial do júri no 70º Festival de Locarno, realizado na Suíça.

Longa 'As Boas Maneiras' explora gênero que até hoje, entre as produções nacionais, não teve nem um sucesso de crítica ou bilheteria (Foto: Divulgação)

Quem levou o "Leopardo de Ouro", principal prêmio da competição, foi "Mrs. Fang". Dirigido pelo chinês Wang Bing, o documentário mostra os últimos dias de uma idosa.

Dirigido por Juliana Rojas e Marco Dutra, o longa foi escolhido pelos cineastas Olivier Assayas (França), Miguel Gomes (Portugal) e Jean-Stéphane Bron (Suíça), pelo produtor grego Christos Konstantakopoulos e pela atriz austríaca Birgit Minichmayr.

Em "As Boas Maneiras", a grávida Ana, personagem de Marjorie Estiano, contrata Clara, vivida por Isabél Zuaa, uma solitária enfermeira que mora na periferia de São Paulo, para ser babá de seu futuro filho. Conforme a gestação avança, Ana começa a apresentar comportamentos estranhos e sinistros hábitos noturnos que afetam diretamente Clara.

Em julho, a reportagem assistiu uma cena do longa. Na sequência, a personagem de Estiano cruza ruas em direção à luz de uma Lua que paira expressionista sobre os arranha-céus.

Após Locarno, "As Boas Maneiras", que foi filmado em São Paulo e Barueri, deve passar por festivais brasileiros e estrear entre final de 2017 e início de 2018. A obra ainda não tem classificação indicativa.

Maior prêmio da arte do país busca o equilíbrio de gerações

Em sua sexta edição, os troféus se dividem entre consagrados e jovens artistas ainda emergentes.

 É nítida a tentativa de equilibrar gerações e trajetórias num prêmio como o Marcantonio Vilaça, o mais tradicional e relevante das artes visuais do país. Em sua sexta edição, os troféus se dividem entre consagrados e jovens artistas ainda emergentes.

Do lado dos consagrados, ou com mais maturidade e grande aceitação do circuito e do mercado, estão Rochelle Costi, Pedro Motta e Fernando Lindote. Do outro, Jaime Lauriano e Daniel Lannes.

Mais justo e inquestionável é o prêmio a Lauriano, um artista com estratégias estéticas ainda em formação e ao mesmo tempo em sintonia visceral com o atual estado de nervos à flor da pele da nação. Pele, aliás, é um dado importante na equação -ele é o único artista negro premiado, embora houvesse outros entre os finalistas.

Sua obra na irregular e esquizofrênica mostra dos finalistas é uma vitrine cheia de armas e instrumentos usados em linchamentos públicos, episódios que inundam as redes sociais desde que o país afundou no caos econômico e político nos últimos anos.

Lauriano está longe da consagração, mas é um nome promissor, em plena ascensão -perfil do artista que em geral merece esse prêmio.

Daniel Lannes, com pinturas coloridíssimas e de traços movediços, em que a história do país é alvo constante de questionamentos e releituras, é outro nome que deveria estar no radar de uma premiação como essas e ganha, nesse momento, uma primeira -e também muito justa- chancela institucional de peso.

No meio do caminho, estão Fernando Lindote e Pedro Motta. Enquanto o primeiro tem longa experiência no circuito e menor penetração no mercado, o segundo tem uma obra mais tímida no circuito institucional e relativo sucesso na arena comercial, com representação de uma das galerias mais poderosas no país e aceitação dos colecionadores.

Mais consagrada de todos eles, Rochelle Costi é um nome incontornável na arte do país nas últimas décadas. Sua obra fotográfica de pegada conceitual espelha ao mesmo tempo a melancolia e a mercantilização do mundo atual. Nesse caso, seu prêmio talvez venha já com certo atraso.

É uma pena, no entanto, que nomes por trás de obras tão relevantes e fortes quanto Alice Miceli, Éder Oliveira e Pablo Lobato tenham ficado de fora dessa leva de troféus.

Tadeu Schmidt volta ao WhatsApp depois de ser bloqueado: 'alívio'

Na sexta (11), Schmidt teve sua conta temporariamente suspensa por ter usado o aplicativo em dois celulares diferentes.

Tadeu Schmidt já pode "vir de zap" de novo, como diz um famoso meme das redes sociais. Neste sábado (12), o apresentador do "Fantástico", da Globo, foi desbloqueado pelo WhatsApp depois de ter sua conta suspensa por 24 horas.
O apresentador Tadeu Schmidt (Foto: Arquivo pessoal)

O retorno após um dia de abstinência foi comemorado. "A cara de alívio de quem acordou com WhatsApp de volta", disse o jornalista ao compartilhar na rede social Instagram uma selfie sorrindo. 

Na sexta (11), Schmidt teve sua conta temporariamente suspensa por ter usado o aplicativo em dois celulares diferentes.

"Estou suspenso. Troquei de celular, havia mensagens não lidas no celular antigo, tentei usar os dois celulares ao mesmo tempo, tomei um gancho do WhatsApp. 24 horas sem acesso", disse o apresentador do "Fantástico", da Globo, na rede social Instagram.

No tempo em que passou sem o aplicativo, Schmidt brincou com seus seguidores dizendo que tinha descoberto novas formas de usar o celular.

"Aproveitei pra descobrir novas funções do smartphone. Tem uma que é sensacional: telefone. Como é estranho telefonar pras pessoas."

Nos comentários, seguidores se solidarizaram com o jornalista. "Aconteceu comigo também é horrível", disse um internauta. "É bom para praticar certos desapegos", incentivou outro navegante. 

South Park completa 20 anos e é a segunda animação mais velha dos EUA

Ao longo de 20 temporadas - e já com a 21ª confirmada para setembro deste ano -, os garotos Cartman, Stan, Kyle, Kenny e Butters ofenderam de Tom Cruise a Maomé com suas piadas politicamente incorretas.

Em 1992, os universitários Matt Stone e Trey Parker decidiram produzir um curta em stop-motion sobre crianças que invocavam um boneco de neve demoníaco e depois imploravam a Jesus que os salvasse. Três anos mais tarde, fizeram outro vídeo parecido. A produção, feita com papel, tesoura e uma câmera 8mm, foi colocada na internet e viralizou.

20 anos mais tarde, Stone e Parker são responsáveis por um dos desenhos mais populares da TV americana, vencedor de quatro Emmys: "South Park".

Eric Cartman, o mais politicamente incorreto personagem da série (Foto: Divulgação)

Ao longo de 20 temporadas - e já com a 21ª confirmada para setembro deste ano -, os garotos Cartman, Stan, Kyle, Kenny e Butters ofenderam de Tom Cruise a Maomé com suas piadas politicamente incorretas e sofreram ameaças até de grupos religiosos.

A série é, hoje, a segunda animação mais velha da televisão americana: perde apenas para "Os Simpsons", que está no ar desde 1989.

Antes conhecida por bater em todo mundo, "South Park" agora vem se concentrando na crítica política -principalmente à administração do presidente americano Donald Trump.

Nas últimas duas temporadas, Parker e Stone criaram uma narrativa que mistura uma Catelyn Jenner com dificuldades de fala -matriarca da família Jenner-Kardashian-, um Donald Trump construído para ser opressor -representado por um ex-professor homossexual do colégio dos garotos- e um empreendedor Elon Musk para falar sobre o avanço dos movimentos sociais e o retrocesso político e moral que vem acontecendo nos EUA.

Outro tema muito explorado é a crítica aos movimentos sociais. Na 19ª temporada, por exemplo, a diretora da escola foi substituída por um professor recém-formado musculoso politicamente correto que quer impor violentamente um bom comportamento em seus alunos.

A ideia de uma crítica mais focada parece estar dando certo: o último episódio da 20ª temporada, "Member Berries", foi assistido por 3,7 milhões de pessoas -número 27% maior que o encerramento da 19ª temporada.

Apesar da popularidade, os criadores Trey Parker e Matt Stone disseram que não vão mais atacar o presidente na próxima temporada, porque os desmandos de Trump no cargo "perderam a graça" e ele virou um "alvo fácil demais".

"Nesta temporada, quero que o Cartman se vista como robô e zoe com o Butters, porque isso para mim é o fundamental de South Park: crianças sendo crianças e sendo ridículas e ofensivas, não 'você viu o que o Trump fez noite passada?'", disse um dos criadores, Trey Parker, em entrevista ao Los Angeles Times.

Com show de Caetano, festival Coala é marcado por gritos de 'fora, Temer'

Ao lado do veterano, o evento reuniu apresentações de nomes que se destacam na nova cena da MPB.

"Enquanto os homens exercem seus podres poderes/ Motos e fuscas avançam os sinais vermelhos", cantou um Memorial da América Latina lotado na noite deste sábado (12). O cantor Caetano Veloso aproveitou para emendar em um "fora Temer", que levou o público a puxar mais gritos de protesto. O baiano foi o destaque do quarto Coala Festival, evento dedicado a musica brasileira.

O cantor Caetano Veloso no Coala Festival (Foto: Divulgação)

Último a se apresentar, Caetano, sozinho no palco, interpretou hits da carreira, como "Reconvexo", "Odara", "A Luz de Tieta", "Baby" e "Sampa", esta última com o refrão de "São São Paulo" -para a alegria do músico Tom Zé, que acompanhava na multidão.

Ao lado do veterano, o evento reuniu apresentações de nomes que se destacam na nova cena da MPB. Nos intervalos, os DJs Uaná System, Tahira, Forró Red Light, EB e Shaka revezaram-se no comando do som e deixaram um clima de festa entre o público.

A festa começou às 13h30 com show da performática Liniker e sua banda Os Caramelows. Com público animado, ela soltou a voz em canções do primeiro disco, "Remonta".

Em seguida, com poucos minutos de atraso, subiu ao palco a cantora Aíla. Expoente da cena paraense, ela cantou músicas do CD "Em Cada Verso, Um Contra-Ataque" (2016), que investe em uma sonoridade pop com distorções de rock e beats eletrônicos.

Ela foi seguida pela cantora santista Tulipa Ruiz, que apresentou repertório com faixas de sua discografia -"Dancê" (2015), "Tudo Tanto" (2012) e "Efêmera" (2010). Acompanhada de banda, ela recebeu seu pai, o guitarrista Luiz Chagas, e a cantora Liniker, para parceria na última música do set list.

Caetano puxou gritos de Fora Temer durante festival realizado no Memorial da América Latina, em São Paulo (Foto: Divulgação)

Em seguida, foi a vez de Rincon Sapiência apresentar o recém-lançado "Galanga Livre". Já anoitecendo, o rapper puxou gritos de "fora, Temer", que ecoaram no público.

Penúltima atração da programação, Emicida subiu ao palco acompanhado de Rael e Fióti, seu irmão, com a frase "Libertem Rafael Braga" estampada no telão. "Como que o Joesley [Batista] está solto na rua e o Rafael Braga na cadeia?", indagou o rapper. Rafael Braga foi um dos poucos brasileiros presos e condenados na chamada Jornada de 2013, quando manifestações tomaram as ruas do país.

Além de músicas do elogiado "Sobre Crianças, Quadris, Pesadelos e Lições de Casa" (2015), os convidados também deixaram sua marca com faixas de seus respectivos trabalhos.

Pouco antes das 22h, Caetano deixou o palco, encerrando o festival, com público animado. Segundo a organização, os ingressos esgotaram -a expectativa era receber 12 mil pessoas. Nos anos anteriores, o Coala já reuniu nomes como Tom Zé, Criolo, BaianaSystem e Karol Conká.

Caetano foi o último a se apresentar no festival (Foto: Divulgação)

Mauricio de Sousa lança autobiografia com a gênese de seus 500 personagens

Mauricio viu quadrinhos pela primeira vez numa lata de lixo em um posto de gasolina.

Aos 81, Mauricio de Sousa é um pai superlativo: seus filhos de carne e osso são dez (um deles morreu), de quatro mulheres diferentes. Os do papel já chegam a 500 e é praticamente certo que você, assim como qualquer brasileiro, conheça um bom punhado deles pelas revistinhas da Turma da Mônica.

O quadrinista Maurício de Sousa (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)

Boa parte desse enredo (os filhos, as mulheres, as personagens) está sendo contada na autobiografia "A História que Não Está no Gibi", livro divertido, direto e bem escrito -o texto e a reportagem adicional são do jornalista Luís Colombini, em cima de depoimentos semanais de Mauricio, por cerca de um ano.

Falando em superlativo, tanto o livro quanto essa reportagem poderiam seguir parágrafos sem fim desfiando os números de Mauricio de Sousa e seus estúdios, como o de revistas já publicadas (1 bilhão), visualizações de desenhos no YouTube (2,2 bilhões) ou produtos licenciados (3.000).

Melhor ir logo ao que interessa: as histórias que não estão no gibi.

Mauricio passou a maior parte da infância e juventude em Mogi das Cruzes, a 57 km do centro de São Paulo. Seu pai, Antonio, era uma figura: tinha uma barbearia com gráfica subversiva nos fundos (jornais "A Vespa" e "A Caveira"), devidamente destruída pelas autoridades do Estado Novo em 1940.

Alguns anos mais tarde, o seu Antonio daria apelidos a dois meninos que brincavam ali na rua: Cascão e Cebolinha, conhecidos assim até hoje lá em Mogi.

Mauricio viu quadrinhos pela primeira vez numa lata de lixo em um posto de gasolina. Joca Marvel. Super-Coelho. O menino gamou.

Passou anos colecionando, aprendendo. Aos 19, bateu na redação da "Folha da Manhã" (que se tornaria a Folha) querendo ser ilustrador. Não conseguiu, mas ganhou a vaga de redator e, meses depois, a de repórter policial.

Exercendo a profissão com garbo, de sobretudo e chapéu (vide foto no livro), conheceu a primeira mulher na delegacia: uma fotógrafa suspeita de sequestrar uma criança numa festa infantil (vá lá, a polícia convocou todas as fotógrafas de festas infantis da cidade).

Como Marilene Spada não era a tal, não foi presa, o amor prosseguiu e puderam se casar, gerando em escadinha Mariângela (que mais tarde inspiraria a personagem Maria Cebolinha), Mônica (ela mesma) e Magali (você também sabe quem).

Em 1959, Mauricio publicou sua primeira tira, já com Franjinha e Bidu, na extinta "Folha da Tarde". Logo se tornaria um sucesso, com as tiras sendo republicadas em mais de cem jornais do país.

"Gostei tanto de fazer esse livro que já penso em fazer o segundo e até o terceiro. Ficou muita coisa de fora", conta ele. Mesmo com muitos cortes, a obra surpreende em alguns momentos pela franqueza.

Um dos capítulos, por exemplo, descreve em detalhes o sequestro de seu caçula em 2008. Além disso, é curto e grosso: "Nascido em 1998, [o caçula] é fruto do relacionamento com uma ex-funcionária, Marinalva Pereira, que me custou uma crise no casamento com Alice". Os leitores agradecem.

E o louco?

Não está lá, entretanto, algo que Mauricio revelou sobre o personagem Louco na entrevista que deu à Folha. É algo muito estranho para os leitores da Turma da Mônica, sombrio até:

"O Louco? Só Cebolinha vê o Louco. Será ilusão do Cebolinha?! Veja, um passante pode interagir com o Louco, mas pode ser outra ilusão. Na turminha, só o Cebolinha o vê. Talvez o Louco não exista. Talvez o Cebolinha tenha algum problema. E sabe o que é o pior? Não foi de propósito. Percebi recentemente que isso sempre aconteceu."

MAURICIO - A HISTÓRIA QUE NÃO ESTÁ NO GIBI

AUTOR Mauricio de Sousa, em depoimento a Luís Colombini

EDITORA Primeira Pessoa (Sextante)

QUANTO R$ 49,90 (336 págs.); R$ 29,99 (e-book)

11 de agosto de 2017

"Não estou preparado para ficar sem ele", diz Zezé sobre pai

O sertanejo também comentou sua relação com os filhos: "quem mais se parece comigo é a Wanessa"

Após a alta do pai, Francisco, Zezé Di Camargo comentou a nova internação do pai ao participar das gravações do "Programa da Sabrina", que vai ao neste sábado (10). "Eu tenho com meu pai uma relação muito além de filho. Eu não estou preparado para ficar sem meu pai. No ano passado, eu fiquei apavorado. Esse ano também", afirmou o cantor, que diminuiu a agenda de shows para ficar mais tempo com a família.

Para Sabrina Sato, o cantor relembrou a internação do pai no ano passado, quando o idoso pediu o fim das brigas familiares. "Ele fez 80 anos e, no ano passado, eu estive com ele no hospital e tive a impressão de que eu não ia ver o meu pai esse ano mais", disse o irmão e parceiro de palco de Luciano. E também se declarou para os três herdeiros. "Eu vejo meus filhos fazendo declaração para mim e fico muito feliz porque filho é a única coisa que a gente ama acima de si próprio", destacou o cantor, alvo de críticas da atriz Thayla Ayala.


Zezé Di Camargo lembrou a internação do pai: 'No ano passado, eu fiquei apavorado. Esse ano também'. Foto: Foto: AGNews / PurePeople

No programa, ele ainda pontuou as diferenças de personalidade entre os três herdeiros. "Quem mais se parece comigo é a Wanessa. A mais agarrada comigo é a Camila e o que tem o papel mais parecido com o meu é o Igor. A Wanessa deu mais trabalho, porque foi a primeira filha, você tem ciúme do primeiro namorado...", contou o noivo de Graciele Lacerda, a quem presenteou com anel de noivado de R$ 5,4 mil.

Prestes a se mudar para uma nova mansão em São Paulo, Zezé contou que tem planos para o novo imóvel. "Hoje, eu vivo sozinho. O momento mais difícil é quando eu vou dormir e não escuto o barulho de um filho. Isso faz muita falta. Estou me mudando para uma casa de 2.200 metros, porque toda semana vai ter um dos meus filhos morando lá comigo", garantiu o artista. E sobre o casamento com a jornalista, ele despistou: "eu tenho uma pessoa que eu amo muito, uma pessoa linda, maravilhosa. As pessoas perguntam se a gente vai se casar... O papel passa a ser secundário diante do sentimento que você tem pela pessoa".

10 de agosto de 2017

Sabrina Sato para Leda Nagle: "estou querendo te dar vários netos"

presentadora diz que maternidade depende de Duda Nagle, não aguenta mais dar indiretas sobre casamento e confessa que era "criança remelenta"

Sabrina Sato abriu o coração em entrevista à sogra, a jornalista Leda Nagle, e assumiu que a realização do sonho da maternidade não depende dela. "A pergunta que mais me fazem na rua é quando vou ser avó", disparou Leda na conversa em seu canal no YouTube. "Ô, Leda não depende só de mim, depende do seu filho", afirmou a apresentadora, que namora Duda Nagle. "Estou querendo te dar vários netos de presente", completou Sabrina. "Mas a gente tem que começar a planejar. É engraçado, imagina que com 36 anos estaria com vários filhos. Estou com 36 anos, namorando, super feliz, e parece que tenho 20 anos. Esse que é o problema", explicou.


Leda e Sabrina: sogra e nora (Foto: Reprodução YouTube)

Bem-humorada, Sabrina também brincou sobre casamento. "Não aguento dar mais indireta para o Duda", riu. Sabrina também confessou que não se importa com a falta de privacidade, disse que a irmã, Karina Sato, é quem cuida da parte prática de sua vida, e assumiu a falta de pontualidade. "Não é o forte chegar na hora", contou rindo. A apresentadora também revelou que, pequena, se cuidava pouco. "Eu era uma criança que viviva descalça de calcinha em casa, toda suja. Era uma criança remelanta, adorava ficar toda suja, descabela, sem tomar banho", lembrou, às gargalhadas.

Polêmicas de Cleo Pires não espantam Gloria Pires

"Não falo nada além do necessário", acrescentou a filha de Fábio Jr.

As declarações polêmicas sobre sexo e drogas de Cleo Pires não assustam a mãe, Gloria Pires. A filha de Fábio Jr. já admitiu ter feito sexo a três e traído sem culpa. Questionada se a mãe se chocou com uma dessas opiniões, a atriz foi enfática. "Não. Acho que não. Ela sabe o que esperar de mim", afirmou ao colunista Leo Dias, no programa "Fofocalizando" desta quarta-feira (9). E por isso mesmo não levou mais puxão de orelha de Gloria. "Quando era mais nova...", frisou Cleo. 


Cleo Pires descarta choque da mãe com suas polêmicas: 'Sabe o que espera de mim'. Foto: Divulgação, Pilé/Rodrigo Zorzi / PurePeople

Ao se autoanalisar, a irmã de Fiuk não acredita que exagera nas falas. "Meu compromisso é com a minha imagem e ser muito verdadeira. Ser eu. Não acho que falo nada além do necessário. Falo o que quero falar da minha vida", disse. "Uma coisa é eu me expor. Outra coisa é alguém pegar a minha verdade e distorcer ela", completou a atriz, apontada como namorada de Felipe Titto. Ao lembrar sua participação no programa de Caio Fisher, a filha de Gloria e Fábio disse ter tido opiniões distorcidas. "Bastante. Houve difamação", disparou a atriz, que se incomoda por ter virado pessoa polêmica.

A irmã de Fiuk concorda que alguns assuntos ainda são delicados frente à sociedade. "Entendo que sexo é tabu. E que hoje têm pessoas que precisam olhar para pessoas famosas e públicas e dizer 'é normal, viveu, fez escolhas. Não estou tentando ser unanimidade", finalizou.