• Patrimônio 09/17
  • Unimed
  • assinatura jornal
Oeiras

Setembro Amarelo: Oeiras intensifica ações de prevenção ao suicídio

Setembro Amarelo: Oeiras intensifica ações de prevenção ao suicídio

13/09/2017 10:31h - Atualizado em 13/09/2017 10:33h

A Secretaria Municipal de Saúde, por meio do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), abriu oficialmente nesta segunda-feira, 11, a programação da campanha Setembro Amarelo em Oeiras – mês escolhido para alertar sobre a importância de ações preventivas ao suicídio. A solenidade de lançamento da campanha aconteceu na sede do CAPS e contou com a participação de usuários e profissionais de saúde, professores e estudantes.

Este ano, as atividades de prevenção e sensibilização incluem blitz nas ruas com panfletagem e adesivagem de carros; rodas de conversa em escolas da rede pública – municipal e estadual – e rede privada; rodas de conversa nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) da zona urbana e rural e qualificação para profissionais da Atenção Básica sobre manejo de transtornos mentais. As ações foram iniciadas no último dia 06, com a qualificação para membros do Grupo de Apoio Permanente e Intersetorial de Prevenção e Enfrentamento ao Suicídio.

“Levaremos informações a população sobre os sinais de alerta, fatores de riscos relacionados ao suicídio, como identificá-los e onde buscar ajuda. Todas as ações que estão sendo desenvolvidas contam com o apoio do CAPS, Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NASF), Núcleo de Prevenção ao Suicídio, e ainda tem a parceria do Grupo de Capoterapia de Oeiras”, ressalta Suely Viana, coordenadora do CAPS.

Auridene Freitas, secretária municipal de Saúde, lembra que o município de Oeiras desenvolve ações contínuas de prevenção ao suicídio. “Durante o mês de setembro intensificamos as ações que já acontecem no município dentro de uma rotina. Ações estas desenvolvidas pelos profissionais do CAPS, em parceria com o NASF, Atenção Básica (Programa Saúde da Família – PSF) e sociedade em geral”, destaca a secretária.

Núcleo de Prevenção ao Suicídio é referência para outros municípios

Assunto complexo, tratado durante muito tempo como tabu, o suicídio, que reflete fatores biológicos, genéticos, psicológicos, sociais e também culturais, tem sido desvendado, nos últimos quatro anos, através campanha. O Piauí ocupa o 3º lugar em número de suicídios no Brasil. Oeiras aparece na 5ª posição em ocorrência de casos.

“Em Oeiras, o índice é bem elevado, pois registramos de três a seis casos, por ano. Se olharmos historicamente para essa problemática, o nosso município já chegou a registrar 12 casos por ano, porém nos últimos anos conseguimos reduzir consideravelmente esses números, através de ações de desenvolvidas no serviço de saúde mental de nosso município”, frisa Suely Viana, destacando o papel significativo desempenhado pelo Núcleo de Prevenção ao Suicídio.

Auridene Freitas informa que o trabalho realizado pelo Núcleo de Prevenção ao Suicídio, organismo fundado em 2010, tem se tornado referência para outros municípios. “Estamos sendo convidados para levar nossas experiências para outras cidades”, comenta a secretária, lembrando que o Núcleo foi premiado recentemente num evento nacional, sediado em Brasília.

Intitulado “Um novo olhar sobre a prevenção do suicídio, na perspectiva de uma abordagem multiprofissional”, o trabalho premiado relata experiências do Núcleo de Prevenção ao Suicídio no desenvolvimento de ações e propostas focadas na linha de cuidado em rede, com o encaminhamento aos serviços de referência (CAPS I) e construção do Projeto Terapêutico Singular e Matriciamento, suporte realizado por profissionais de diversas áreas especializadas dado a uma equipe interdisciplinar com o intuito de ampliar o campo de atuação e qualificar suas ações.

“O suicídio é um grave problema de saúde, tratado como uma pandemia. Este ano, temos como foco “Conversar Previne”, estimulando e buscando vários segmentos da sociedade para participar conosco desta luta”, pontua a secretária.

“Esperamos minimizar o índice de suicídio em nosso município, bem como reduzir os casos de tentativas e danos sociais causados por este fenômeno, informar a população que a melhor forma de evitar um suicídio é conversando a respeito do problema”, acrescenta a coordenadora do CAPS.

Onde procurar ajuda?

  • Centro de Atenção Psicossocial (CAPS I)
  • Núcleo de Prevenção ao Suicídio
  • Estratégia Saúde da Família
  • UPA/Hospital Regional Deolindo Couto
Fonte: Ascom

Deixe seu comentário