• assinatura jornal

Notícias Itainópolis

14 de janeiro de 2018

Pedro Paulo se destaca em competições artísticas internacionais

Itainopolense fala sobre suas aventuras e desventuras na carreira de B-boy

O entrevistado dessa semana é Pedro Paulo Sousa, de vinte e seis anos. Natural de Belém do Pará, aos seis meses de idade veio embora para Itainópolis, terra de sua mãe, na qual foi criado. Ele é ex-aluno do Álvaro Rodrigues, escola em que estudou até o 2º ano do Ensino Médio. No entanto, foi em Picos que concluiu a Educação Básica, no ano de 2010. Casado há quase três anos com uma garota que conheceu em Casa Nova-BA, ainda não tem filhos.

Os dois esportes praticados por Pedro Paulo são a capoeira e o hip hop. Este último, encarado por ele não apenas como um lazer, mas também como uma cultura, da qual fez sua profissão. “Quando concluí o Ensino Médio, decidi dedicar minha vida à carreira de B-boy.”

Foi também em Picos que B-boy HD – como é mais conhecido entre os que acompanham seu trabalho – teve seu primeiro contato com a cultura hip hop, através de um projeto do Governo Estadual desenvolvido por uma ONG chamada OCN (Organização Cor Negra). Com isso, por volta de 2008, ele passou a integrar o grupo Resgate B-boys, no bairro em que morava.

Quando voltou para Itainópolis, resolveu disseminar a dança em sua cidade. Foram surgindo alguns poucos interessados, mas rapidamente o grupo se tornava numeroso, chegando a ter cerca de vinte participantes. “Eu ensinei um, dois... e, de repente, um foi ensinando para o outro e virou uma febre.” Na época, a parceria firmada foi com a Igreja Católica, e com o apoio do Pe. Feitosa, o grupo de dança de consolidou.

Apesar do gosto que sente nas muitas viagens que faz, Pedro Paulo não esconde o desejo – que um dia sentiu – de ter se fixado só em sua terra e explica o motivo de não estar morando nela permanentemente: “Aqui teve como eu desenvolver um projeto grande, só que, por não ter respaldo na minha cidade, de poder ficar só aqui, eu tenho que buscar, eu tenho que ir para fora, participar de eventos, e isso é meu ganha-pão. Então não posso ficar só esperando daqui. Em outros lugares aonde fui – até maiores do que aqui – eu tive mais respeito do que em minha cidade.”

A falta de oportunidades em sua cidade, no entanto, serviu-lhe de impulso para explorar outros territórios. “Quando foi em 2014, eu treinei, me preparei e decidi: ‘agora eu quero conhecer a cena a nível nacional’”. Através de cartas-convite, fly ou mensagem em grupos do WhatsApp, ele tem sido chamado para participar de campeonatos em quase todo o Nordeste, exceto o Rio Grande do Norte. Com isso, a desilusão do jovem tornava Itainópolis muito pequena para a sua arte.

No Piauí, nosso entrevistado já participou de eventos em Teresina, Uruçuí, União, Altos, Oeiras, Canto do Buriti, Picos, Jaicós, Inhuma, Valença, Ipiranga, Buriti dos Montes, São Miguel do Tapuio e Castelo do Piauí. Nesta última cidade, ele já esteve várias vezes, realizando oficinas e workshops – para difundir a arte hip hop – e também colaborando com um projeto social chamado JUCA.

Após ter participado, em 2013, de um festival de hip hop na cidade de Glória-BA, Pedro Paulo concedeu entrevista a uma afiliada da Rede Globo. Na reportagem, a jornalista ressalta que o B-boy HD foi do Piauí para a Bahia só para mostrar suas habilidades por lá. “Vim representar minha cidade, minha crew (grupo) e a dança também, que é uma coisa que eu faço pelo amor. É minha vida. E espero levar bons resultados pra minha cidade. E também não só o sentimento da disputa, mas também a amizade que fica em vir prestigiar um evento dessa proporção”, disse o artista itainopolense na entrevista sobre a competição da qual foi vice-campeão.

Veja a reportagem:

https://www.youtube.com/watch?v=JCrNJCb05k4

Em 2014, o aventureiro foi para São Paulo, onde conseguiu ganhar algumas disputas, e depois para o Rio de Janeiro cidade na qual participou de alguns eventos, entre eles a gravação de um clipe do fanqueiro MC Sapão, cuja música, “Vou desafiar você”, fala de um desafio de dança improvisada. Com os movimentos acrobáticos do hip hop, Pedro Paulo aparece entre os vários jovens da roda de dança.

O clipe oficial encontra-se disponível no endereço:

https://www.youtube.com/watch?v=W6f8jlqRXB4

Mas o B-boy não se contentou em mostrar seu talento apenas em território nacional. Sua performance o fez atravessar a fronteira com a Bolívia, país em que participou da ‘Batalla Santa Cruz’, na cidade de Santa Cruz de la Sierra. Lá, Pedro Paulo conseguiu ganhar duas das três modalidades das quais participou. Isso lhe proporcionou outra conquista: ser jurado de uma competição em Sucre, capital boliviana.

Ao todo, B-boy HD já coleciona mais de trinta títulos. Dois deles são os internacionais, conquistados na Bolívia.

Depois de viajar para tantos lugares e voltar para Itainópolis no final de 2014, por conta de uma lesão no ombro, o colecionador de títulos olha para sua cidade e sente a necessidade de políticas públicas que incentivem sua arte. Arte, que a seu ver, poderia ser estendida a outros munícipes itainopolenses. “Minha insatisfação é porque sou de Itainópolis, cresci aqui, e até então, pelo meio político, não tive oportunidade de desenvolver um projeto social na minha cidade,” lamenta o jovem de vinte e seis anos.

E é viajando Brasil afora que Pedro Paulo compara a realidade de sua cidade com a dos lugares por onde passa. A falta de oportunidades para seus conterrâneos é, para ele, motivo de preocupação. “Fico muito entristecido em ver que na minha cidade tem adolescentes e jovens que poderiam estar desenvolvendo uma arte. A parte mais importante da nossa cidade é a juventude, que, infelizmente, está tomando caminhos ruins [...], por falta de uma segunda opção.” Na análise do artista, a desocupação dos jovens poderá, inclusive, tornar a cidade mais violenta.

De Itainópolis para o mundo. As ambições do B-boy são muito auspiciosas. Seu plano internacional evoluiu e atingiu o status de intercontinental. Motivado por uma vida melhor, sua meta agora, já para 2018, é ir à Europa. É em Portugal e na França que o audacioso jovem pretende participar de alguns eventos, ainda indefinidos.

Para a Europa, até agora ele conta com ajuda apenas da família, mas tem esperança de surgir algum patrocinador que o auxilie. Auxílio que seria de grande valia para um artista o qual participa de eventos de dança e faz shows em praças, ruas e sinais. “Infelizmente, pela parte cultural, eu não tenho apoio para poder chegar aonde eu quero.” Desabafa.

Atualmente Pedro Paulo está desenvolvendo um trabalho voluntário em Itainópolis. Por falta de um local mais adequado, é em sua própria casa que ele e Rogério, da localidade Tombador, ensinam capoeira a um grupo de sete crianças. É o grupo Frutos do Jenipapo, para o qual os dois capoeiristas gostariam que surgissem investimentos, por parte de empresários e também do Poder Público.

Mais do que um simples passatempo, o hip hop é para B-boy HD um estilo de vida. O artista se orgulha em fazer parte dessa cultura, que, em seu entendimento, “é muito importante para o adolescente e para a vida da pessoa. Dá um rumo.” E acrescenta: “Quando entrei no Resgate B-boys, eu comecei no grupo certo, porque eles não me ensinaram só a dançar, mas me ensinaram a ser um cidadão de bem.”

E é assim, viajando Brasil afora, que nosso entrevistado vai levando a vida. Como tantos outros que souberam tirar do esporte seu sustento, Pedro Paulo externa um sentimento de conquista em cada viagem, em cada disputa, em cada iniciativa: “isso já é uma vitória”, encerra.

Os contatos do B-boy HD são:

·  WhatsApp: 74 98112-5886

·  Facebook: Pedro Paulo

Fotos: Anderson Monteiro e Arquivos de Pedro Paulo

Expedição Missionária termina com culto no Poliesportivo de Itainópolis

Participantes do evento avaliam como positivas as atividades realizadas

Durante toda a semana passada, missionários de quase todo o país estiveram nos municípios de Itainópolis e Vera Mendes, onde realizaram a 16ª edição da Expedição Missionária, que consistia em conhecer a realidade dos sertanejos e pregar a elas a Palavra de Deus.

Os 349 religiosos de várias denominações evangélicas se juntaram aos irmãos das duas cidades anfitriãs e se distribuíram nas zonas rurais de ambos os municípios. De casa em casa, eles conversavam com moradores para conhecer de perto os problemas enfrentados no dia-a-dia dos rurícolas e pregar-lhes a Boa Nova do Evangelho.

Todo o evento foi encerrado na noite de ontem (13), no ginásio poliesportivo de Itainópolis, local em que foi realizado um culto do qual participaram os missionários e outras pessoas da cidade, de diferentes igrejas, inclusive católicos.

Edivaldo Bispo, de Salvador-BA, resume sua experiência na missão dessa semana: “Essa expedição representou para mim um renovo, um avivamento. Me fez sentir mais próximo de Deus, por estar fazendo a vontade dele, anunciando o Evangelho de Salvação de vida para as pessoas. E na verdade, nós somos chamados para servir. Então, nós não podemos ficar no conforto de quatro paredes do nosso templo. Precisamos nos entregar, nos doar, como o Senhor se doou a nós.” E o baiano de 52 anos conclui: “O desejo de todos aqueles que temem ao Senhor, que amam a Palavra de Deus, é ver também o seu próximo; é ver a outra pessoa e experimentar essa novidade de vida; é fazer com que nosso Senhor seja conhecido por todas as nações”.

A experiência vivida por Jéssica Queirós de Oliveira, de Tianguá-CE, foi muito positiva, pois ela diz que sentiu grande aceitação das pessoas a quem visitou. “As pessoas sentem confiança na gente, pelo fato de a gente chegar de uma forma carinhosa e transmitir amor para elas.” Evangélica da Primeira Igreja Batista, a jovem de quatorze anos ressalta: “As pessoas têm confiança em nós e nos contam os problemas delas. Aí a gente inclui a Palavra de Deus exatamente nesses problemas.”

08 de janeiro de 2018

Igrejas evangélicas realizam missão em Itainópolis e Vera Mendes

Sendo sede do projeto, Itainópolis acolhe 349 missionários de vários estados brasileiros

Desembarcaram em Itainópolis neste domingo (07) várias caravanas com pessoas de quase todos os estados brasileiros. São fiéis de digerentes igrejas evangélicas que vieram realizar uma Expedição Missionária, cujo trabalho deve durar sete dias.

Na noite de ontem, foi realizado na Assembleia de Deus o culto que abriu o evento, programado para ser encerrado sábado à noite, no Ginásio Poliesportivo. E durante toda essa semana, os missionários de distintas denominações religiosas farão visitações a famílias tanto da zona urbana quanto da zona rural de Itainópolis e de Vera Mendes.

O pastor Zaqueu José de Sousa, líder da Assembleia de Deus de Itainópolis, nos informou o propósito da missão. Disse ele: “O objetivo é continuar com a disseminação do Evangelho de Jesus Cristo, que está perto de vir buscar a sua igreja, e nós estamos nos despertando para um evangelismo em massa.”

Pr. Zaqueu também explicou que o projeto visa a atingir municípios menos evangelizados e de menor população. Por isso, a princípio, era para ser desenvolvido em Vera Mendes, cidade a qual não tinha – na análise dos primeiros organizadores – estrutura para suportar o fluxo de pessoas, devido à grande quantidade. Então ficou decidido que Itainopólis sediaria as atividades a ser desenvolvidos nos dois municípios.

No total, são 349 pessoas, vindas de diversas cidades, como São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Recife, Salvador, Uberlândia, Teresina, etc.. Quando perguntado sobre a faixa etária dessas pessoas, o Pr. Zaqueu responde com muita simpatia: “De criança a caducando. Não tem uma faixa etária exclusiva.”

E para alojar tantas pessoas, foram montadas cabanas na Escola Municipal Odete Ferreira Nunes. Cabanas que, para o Pr. Zaqueu, causam um certo desconforto, o qual é recompensado pelo amor que representa a expedição missionária. “São pessoas que saem de tantos estados distantes, deixando sua zona de conforto,” afirma o líder assembleiano.

A caravana é heterogênea, pois é composta por missionários de vários níveis sociais e também culturais. “Já estive conversando com uns deles que são da Rocinha, no Rio de Janeiro; isso representa principalmente o amor... sair de uma região distante para o interior do Nordeste apenas para falar de Jesus”, conclui Zaqueu.

Convidado por um pastor para participar desse projeto de evangelização, Leomar de Oliveira, de Salvador-BA, se diz motivado por Jesus. “Arde em nossos corações o desejo de fazer a obra. Estou aqui para fazer o ‘ide’ de Cristo, porque, na realidade, todo cristão é missionário e tem a obrigação de anunciar Jesus.”

“A Expedição Missionária é um projeto que visa a levar o Evangelho que outrora nos alcançou, nos libertou e nos trouxe um novo sentido de vida. Então, estar aqui é ter a oportunidade de falar desse sentido para outras pessoas, e é isso que faz com que a gente venha até aqui”, declara o jovem Fábio Almeida, de trinta e três anos. Evangélico desde os dez anos de idade, ele veio de Brasília com outras quarenta e cinco pessoas.

06 de janeiro de 2018

Por um lar a Anchieta – igrejas cristãs se juntam para uma causa social

Show beneficente aumenta arrecadação para construção da casa da família de Janaína

Uma corrente de solidariedade. Assim se define o momento mais importante da campanha ‘Por um lar a Anchieta’.

A primeira sexta-feira do ano foi marcada por um show gospel, realizado no Ginásio Poliesportivo de Itainópolis, com o objetivo de arrecadar fundos para a construção de uma casa destinada à família de Janaína, uma criança de sete anos que morreu afogada em dezembro do ano passado.

A ideia surgiu depois que, visitando a família, a população tomou conhecimento das condições em que o gari, pai de Janaína, vive em uma pequena casa com sua grande família. Então, o que a princípio era para ser apenas arrecadação de donativos se tornou o projeto de uma casa não grande, porém mais digna.

O mesmo grupo de voluntários que se propôs a ajudar Anchieta se comoveu também com a situação dos vizinhos do gari. Foi então que estenderam o gesto de solidariedade, criando a campanha ‘Natal sem fome’, através da qual arrecadaram alimentos e distribuíram para mais de trinta famílias, da cidade e do interior.

Todas essas ações foram divulgadas na Internet e, a partir daí, várias pessoas abraçaram a causa e começaram a contribuir, doando dinheiro, material de construção, o terreno onde será construída a nova residência da família e até mesmo a planta da casa.

O show realizado na noite de ontem (05) foi iniciado com um momento de oração, conduzido pelo pastor Eli. Depois, Paulo Poeta, de Jaicós, recitou de uma poesia de cordel de sua autoria. Em seguida, houve apresentação de uma peça e de uma dança – cujo tema foi a vida – e também o espetáculo musical, comandado por bandas das igrejas de Itainópolis e de outras cidades.

No evento, de mais de trezentos espectadores, apresentaram-se: Larisse & Banda; Tony & Gleyce (de Novo Oriente); Banda D3; Banda Atitude de Louvor (de Jaicós), com participação de Rauenne Sousa; Cícero Augusto e Banda Shalon. Esta última, encerrou sua participação fazendo uma oração pela família de Anchieta, que ficou cercada pelo público, o qual formou uma corrente humana nas laterais da quadra.