Portal O Dia

Psicóloga revela 'tática' motivacional usada no handebol

O técnico da seleção brasileira feminina de handebol, Morten Soubak, empregou todos os recursos que tinha à mão para motivar as jogadoras à conquista da medalha de ouro do Mundial.

24/12/2013 17:30

Samira, ponta esquerda da Seleção Feminina de Handebol, desembarca em Pernambuco depois de ouro inédito (Foto: Burno Reis)

O técnico da seleção brasileira feminina de handebol, Morten Soubak, empregou todos os recursos que tinha à mão para motivar as jogadoras à conquista da medalha de ouro do Mundial. O dinamarquês, que nada tem do jeito reservado nórdico de ser e costuma dizer que nasceu no país errado, sendo baiano de coração, revelou até um insuspeito talento teatral na preleção que antecedeu a decisão do último domingo contra a Sérvia.

“O Morten vestiu uma camisa da Sérvia e colocou uma medalhona de ouro feita de papel dourado no peito. A gente havia envolvido umas peças de futebol de botão em papel alumínio e demos para as jogadoras com se fossem medalhas de prata. Ele falou: ‘Toma, isso é o que merecem’. Aí a Alexandra falou: ‘Não, eu quero o ouro’, e arrancou a medalha do peito dele. Aí, a gente viu que tinha mexido com os brios delas e que o time ia entrar mordendo”, disse a psicóloga Alessandra Dutra.

Alessandra sentiu a necessidade de combater uma tendência à acomodação que enxerga no brasileiro. “Temia que elas se contentassem com menos do que poderiam conseguir”. A Sérvia utilizou um vídeo gravado pelo tenista Novak Djokovic, maior ídolo do país, para se fortalecer moralmente.

A ponta-direita Alexandra, uma das mais experientes do grupo, lembra que Alessandra também foi decisiva ao apontar a forma como a seleção deveria se comportar dentro da Arena Belgrado, na Sérvia, com 19,5 mil espectadores. “Ela disse para não olharmos para fora da quadra para não nos impressionarmos com a torcida”.

Alessandra, que trabalha para a Confederação Brasileira de Handebol (CBHb) desde 2003, forneceu até um “santo remédio” para a dor. A capitã Dara jogou por 25 minutos com o dedo anular da mão direita luxado. “A Alessandra falou para eu dizer a mim mesma: ‘Sem dor, sem dor’ e funcionou”.

Fonte: Esporte interativo

Deixe um comentário

Tópicos usada, handebol, motivacional, tatica, revela, psicologa,

Veja também

há 17 horas
A seleção brasileira feminina de futebol está muito próxima da classificação para o quadrangular final da Copa América, que está sendo realizada no Equador.
há 18 horas
Dunga reunirá três gerações de ídolos do Santos nos próximos compromissos da Seleção Brasileira, contra Argentina e Japão, em outubro. O ex-jogador Edu foi chamado para ser um auxiliar pontual da equipe que contará com os atacantes Neymar e Robi
há 1 dia
Seleção feminina vence Chile e fica mais perto da classificação
há 1 dia
Na última quarta-feira, Dunga anunciou sua segunda lista de convocados à Seleção Brasileira. Camisa 10 no São Paulo, Paulo Henrique Ganso ficou mais uma vez de fora. Sem rancores ou frustações, o meia garante que irá esperar sua hora, mas afirma q