• elshallon
  • Unimed
  • assinatura jornal

Time de handebol Caic Balduino traça planejamento para o Mundial

Antes, o time participa do campeonato Sul-Americano, que acontece em outubro, em Assunção, no Paraguai.

13/09/2017 09:38h

Após a conquista do tetracampeonato no Brasileiro Escolar de Handebol e vaga garantida no Mundial Escolar 2018, que acontece no mês de fevereiro, em Doha, no Qatar os garotos do Caic Balduino agora pensam no planejamento até o final desse ano. Pelos bons resultados nos últimos anos nos brasileiros escolares foram convocados para o Sul-Americano que acontece em outubro, em Assunção, no Paraguai. E também tem a 2ª etapa do Jogos Escolares da Juventude, em novembro, no Distrito Federal, em Brasília. 

O Caic Balduino tem cinco meses até o Mundial em que o objetivo é conseguir repetir o feito de 2014 em que os piauienses chegaram até a final da competição e ficaram com o segundo lugar. De acordo com o treinador Giuliano Ramos, o objetivo agora é não parar e assim fazer com que os atletas cheguem em seu melhor ritmo. 

O objetivo é não parar e fazer com que os atletas cheguem em seu melhor ritmo (Foto: (Foto: Pedro Paulo/ CBDE)

“Não podemos parar. Agora temos esse Sul-Americano e depois disso os Jogos Escolares. Teremos uma folga de três dias entre o natal e o ano novo, acabou qualquer possibilidade de férias de todo mundo, inclusive do professor Giuliano”, brinca o treinador. 

Giuliano Ramos destaca também a importância dessa participação no Sul-Americano, pois será a primeira experiência internacional da maioria dos atletas. “Fomos convocados pela confederação porque somos atuais campeões brasileiros cadete, competição que aconteceu em Teresina esse ano. Será a primeira competição internacional desses meninos para depois pensar no Mundial, em fevereiro, já um pouco mais rodados”, disse. 

Entre os nomes que vestiram a camisa do Piauí no Brasileiro Escolar e também irão para o Mundial da modalidade alguns contratados como; Gabriel, Everton e Lisandro. O meia-esquerda Everton, de 17 anos, natural do Pernambuco, está em Teresina desde o começo desse ano e fala sobre a expectativa da competição internacional. “Confesso que estou esperando muito desse Mundial. Estou feliz também porque é uma porta para o mercado de fora e uma competição de grande visibilidade e isso também é importante”, conta o atleta

Edição: Biá Boakari
Por: Pâmella Maranhão

Deixe seu comentário