• JE 2017
  • assinatura jornal

Daniela Mercury fala da relação com Malu Verçosa: 'somos perigosas juntas'

Cantora se apresenta na Virada Cultural, em São Paulo: 'Meu show é político'.

19/05/2017 12:44h

Daniela Mercury, uma das atrações da Virada Cultural de São Paulo neste fim de semana, conversou com a coluna sobre o delicado momento político do país, música e a relação dela com a mulher, Malu Verçosa. A cantora, uma das pioneiras da axé-music, conta que também vai dar um tom político a sua apresentação na capital paulista. Afinal de contas, hoje ela é uma das grandes vozes da luta pela diversidade sexual. "Por onde passo é uma parada gay", afirma ela.  

O que achou do pronunciamento do presidente Temer?

Fiquei muito preocupada. É muito sério isso de ficar negando uma coisa até o fim. Se nunca teve essa tal conversa, se você nunca o fez, você tem certeza disso. Ele já colocou tudo em dúvidas. Eu esperava que renunciasse. Postei isso no meu Twitter. A governabilidade já está afetada. Se ele estiver mentindo, é uma gravidade tamanha. Abala nossa credibilidade como povo para o mundo todo. E precisamos seguir trabalhando. 

Daniela Mercury posou nua ao lado da mulher, Malu, na capa do disco Vinil virtual: "Somos muito cúmplices"  (Foto: Reprodução)

A política afeta o show que você fará?

Meu repertório do show de voz e violão é bem político. Canto músicas como "Cálice" e "Deus lhe pague". Vou trazendo os discursos de prostesto do rock, do axé, da MPB. O axé vem de um povo oprimido e excluído, que já sofre com a distribuição de renda. "O canto da cidade" é música de ocupação. Estou no lugar do preto, da mulher, da gay, da nordestina.

Falando nisso, como está sua relação com a Malu?

Cada dia mais apaixonadas. Somos perigosas juntas, duas leoninas. Quando a gente se beija, é uma bomba. Ela é uma pessoa muito interessante, ocupa todos os espaços, mais do que qualquer homem que já tive. Eu digo para ela: "Vai ter de conviver comigo para sempre". Ela casou comigo porque gostava de jornalismo cultural. Acho que é o motivo do amor. Somos muito cúmplices. 

Fonte: Época Online

Deixe seu comentário